Cobra-preta: habitat e características

A cobra-preta é um espécime muito resistente que não é afetada pelo veneno de outras cobras, por isso pode se alimentar de cobras tóxicas sem problemas.
Cobra-preta: habitat e características

Última atualização: 20 fevereiro, 2022

As cobras são répteis muito heterogêneos, com uma grande diversidade de cores, tamanhos e estilos de vida. Apesar de não possuírem pernas, seu corpo apresenta enorme habilidade nos movimentos e rapidez nos movimentos. Existem mais de 3 mil espécies no mundo e uma delas é chamada de cobra-preta, embora em seu estado juvenil apresente um tom vermelho intenso. Você a conhece?

Essa cobra pertence à família dos colubrídeos (Colubridae), portanto não é uma víbora. Porém, é uma cobra que produz veneno, atributo que apenas alguns exemplares dessa família apresentam. Também é conhecida como muçurana ou mussurana. Aprenda mais sobre ela nas linhas a seguir.

Habitat e distribuição da cobra-preta

A cobra-preta (Clelia clelia) é encontrada no continente americano, com distribuição que vai do México à Argentina. No entanto, não está presente no Chile. Habita áreas arborizadas e também locais intervencionados como cultivares, desde que próximos de matas. Sua faixa de distribuição vai do nível do mar a 2 mil metros de altitude, embora se estima que possa ser mais elevada.

Como é a cobra-preta?

As cobras-pretas têm uma aparência interessante, já que jovens e adultos têm colorações diferentes (como se fossem 2 espécies diferentes). Quando são jovens, apresentam um tom avermelhado intenso em toda a parte posterior do corpo. No entanto, suas cabeças são pretas e possuem uma faixa clara na nuca, seguida de uma preta.

Alguns espécimes apresentam manchas escuras na região das escamas vertebrais. A área ventral é creme e pode apresentar manchas acinzentadas. A forma do corpo é cilíndrica e a cobra possui olhos com pupila larga.

No estado adulto, a cobra-preta é escura, com tonalidade azulada ou preta. Pode atingir um tamanho grande (em torno de 220 centímetros), principalmente as fêmeas, por apresentarem proporções maiores que os machos. Isso significa que há um claro dimorfismo sexual, mas não só no que diz respeito ao tamanho, mas também no número de escamas ventrais e subcaudais.

Comportamento de cobras caçadoras pretas

Esse colubrídeo é muito ágil e movimenta-se facilmente em terra, mas também já foi observado na água e até entre árvores. Geralmente realiza suas atividades de forrageamento à noite, mas também fica ativo durante o dia.

Quando ameaçada, essa cobra tende a disparar excreções cloacais, estratégia que embora pareça estranha pode ser muito útil. Outros comportamentos defensivos incluem mudanças repentinas na postura e esconder a cabeça.

Comportamento alimentar da cobra-preta

As cobras-pretas são carnívoras. Elas têm como características marcantes serem cobras que se alimentam de outras cobras (até mesmo algumas venenosas), por isso são ditas ofiófagas.

Entre as espécies preferidas pelas cobras-pretas estão a Bothrops asper e as dos gêneros Atropoides, Crotalus e Porthidium, entre outros. Elas também tendem a incluir outros vertebrados em sua dieta, como pequenos mamíferos, pássaros e lagartos.

Seu arsenal químico não é tão tóxico, pelo menos não para os humanos, já que os encontros geralmente não são fatais. Possui dentição opistóglifa, o que significa que as presas que injetam o veneno aparecem na parte de trás da mandíbula.

Reprodução

O urubu é um espécime ovíparo, o que significa que põe ovos. Sua ninhada pode conter de 9 a 22 ovos. Sabe-se que a maturação sexual é alcançada quando os machos alcançam 650 milímetros e as fêmeas 973.

Em estudos realizados no Brasil, observou-se uma fertilidade feminina de apenas 53%, o que sugere que apenas metade das fêmeas adultas se reproduzem a cada ano. Além disso, estima-se que sua reprodução seja influenciada pelo clima. Assim, nas regiões mais quentes apresentam um ciclo contínuo e nas mais frias torna-se sazonal.

Estado de conservação da cobra-preta

A cobra-preta não está ameaçada. Ela está listada no grupo de “Least Concern (LC)” de acordo com a lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN por sua sigla em inglês).

No entanto, na Argentina é classificada como vulnerável, pois a expansão urbana humana significa que ela tem cada vez menos lugares para se alimentar. Além disso, deve-se ter em mente que se trata de um espécime com baixa fertilidade e maturidade sexual tardia.

Uma cobra muito resistente

Esse réptil tem outra característica interessante: sua alta resistência aos venenos de outras cobras venenosas, como as Bothrops, o que parece lógico ao pensar que esses animais fazem parte de sua dieta. Esse fato tem sido objeto de estudo de alguns pesquisadores, fascinados pela inocuidade desses colubrídeos por não apresentarem sintomas nem ações locais.

As cobras-pretas são cobras impressionantes, chamativas não apenas por sua coloração vermelha profunda (em sua fase juvenil), mas também por seus atributos. São espécimes que consomem outras cobras com a ajuda de seu veneno e sua força constritiva, uma combinação da qual a presa não consegue escapar. Além disso, apresentam alta resistência a outros venenos de cobra, fato de grande interesse no meio científico.

Pode interessar a você...
Cobras na cultura popular: mitos e símbolos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Cobras na cultura popular: mitos e símbolos

Repudiadas por alguns e adoradas por outros, esses animais rastejantes nunca passaram despercebidos. Conheça mais sobre sua história neste artigo.



  • Cerdas, L., & Lomonte, B. (1982). Estudio de la capacidad ofiofaga y la resistencia de la zopilota (Clelia clelia, Colubridae) de Costa Rica a los venenos de serpiente. Toxicon, 20(5), 936-939.
  • Díaz-Ricaurte, J., Serrano, F., & Ferreto, B. (2018). Clelila clelia (Daudin, 1803). Catálogo de anfibios y reptiles de Colombia, 4(2), 23-31.
  • Galarza, M., De Alencar, L., & Martins, M. (2013). Natural history of pseudoboine snakes. Papeis avulsos de Zoología, 53(19), 261-283.
  • Gutiérrez-Cárdenas, P., Rivas, G., Nogueira, C., Gagliardi, G., Catenazzi, A., Gonzales, L., & Murphy, J. (2019). Clelia clelia. The IUCN Red List of Threatened Species 2019: e.T197468A2487325.
  • Lomonte, B., Cerdas, L., Solórzano, A., & Martínez, S. (1989). El suero de neonatos de Clelia clelia (Serpentes: Colubridae) neutraliza la acción hemorrágica del veneno de Bothrops asper (Serpentes: Viperidae). Revista de Biología Tropical, 38(2), 325-326.
  • Scott, N., Giraudo, A., Scrocchi, G., Aquino, A., Cacciali, P., & Motte, M. (2006). The genera Boiruna and Clelia (Serpentes: Pseudoboini) in Paraguay and Argentina. Papeis avulsos de Zoología, 46(9),77-105.
  • Pizatto, L. (2005). Body size, reproductive biology and abundance of the rare pseudoboini snakes genera Clelia and Boiruna (Serpentes, Colubridae) in Brazil. Phyllomedusa, 4(2),111-122.