As cobras são capazes de ouvir sons?

Como não têm tímpanos, por muito tempo se acreditou que as cobras fossem surdas. Contudo, não é exatamente o caso e aqui você pode descobrir o porquê.
As cobras são capazes de ouvir sons?

Última atualização: 28 Maio, 2021

Diante da questão de se as cobras são capazes de ouvir sons, duas versões da mesma imagem podem vir à mente: a de uma cobra dançando ao som de uma flauta e a da cobra seguindo o movimento sinuoso de um instrumento musical. Qual é a correta?

Como muitas coisas no mundo científico, a resposta geralmente é encontrada em algum lugar entre os dois polos. Neste artigo, vamos destrinchar o possível sentido da audição desses animais e, além disso, vamos fazer uma breve descrição do sistema auditivo de cobras. Confira!

As cobras são surdas?

A realidade é que as cobras são capazes de ouvir, mas existem diferenças entre elas e outros répteis. Para os répteis quadrúpedes, o tímpano transmite as vibrações do ar ao ouvido interno, causando a sensação subjetiva de audição, assim como no ser humano e em outros mamíferos. As cobras, no entanto, não têm essa membrana.

À época, esse fato levou a se pensar que as cobras fossem surdas. Posteriormente, foi comprovado que elas são capazes de ouvir, bem como de perceber as vibrações do solo. Em todo caso, elas fazem isso através da mandíbula e do corpo.

Ou seja, mesmo sem tímpanos, o ouvido interno das cobras é bem desenvolvido para interpretar as vibrações oriundas do solo, pois reverberam no seu crânio. Graças a isso, as cobras são capazes de capturar melhor as ondas sonoras de baixa frequência.

A faixa de audição de cobras é de 100 a 700 Hertz. O ouvido humano é capaz de ouvir de 20 a 20 000 Hertz.

 

Como as cobras ouvem?

Embora sejam capazes de ouvir sons, é verdade que a capacidade das cobras de captar as vibrações do ar é mais limitada do que em outros répteis. No entanto, a evolução forneceu a esses animais uma estratégia adicional muito útil.

A cobra rasteja e isso é uma vantagem na hora de capturar as vibrações que viajam pelo solo. Os mecanorreceptores que estão distribuídos por todo o corpo são responsáveis por enviar ao cérebro informações sobre esses sinais. Isso é extremamente útil para a cobra quando se trata de localizar presas e perigos.

Imagine uma pedra caindo em um lago. Se a rocha for uma presa, a cobra será capaz de localizá-la, dependendo de onde as ondulações da água chegarem até ela.

O sistema auditivo de cobras: características e funcionamento

A evolução negou às cobras o ouvido externo e o tímpano, mas, como você viu, isso não as privou desse sentido. Seu ouvido interno é semelhante ao de outros vertebrados, só que está preparado para processar também as vibrações que chegam através do solo, não apenas do ar. Isso é conhecido como ‘audição somática’.

No ouvido médio, as cobras possuem um osso chamado colummella auris, conectado ao ouvido interno por tecido, cujo objetivo é fazer vibrar o fluido no ouvido interno. Esse fluido ativa células sensoriais – chamadas células cocleares – que enviam informações pertinentes ao cérebro.

Além disso, a mandíbula das cobras sofreu uma modificação muito útil, para captar os sons que viajam através do solo: ela se divide em duas partes, chamadas hemimandíbulas. Sua função é detectar a localização do som, pois enviarão sinais ao cérebro com um ritmo assimétrico, com base na origem da vibração.

 

As cobras são capazes de ouvir?

As cobras, e em geral todos os répteis, surpreendem a cada novo fato que se conhece sobre elas. São animais tão antigos, filogeneticamente falando, que as adaptações desenvolvidas durante sua evolução tomaram rumos realmente criativos.

Podem não ser animais tão adoráveis quanto aqueles que desenvolveram pelos, mas certamente vale a pena estudá-las. Infelizmente, se você ainda quiser tentar conquistar uma cobra, a música de uma flauta não será de grande ajuda.

Pode interessar a você...
Picadas de cobra: como agir?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Picadas de cobra: como agir?

As picadas de cobra tendem a ser assustadoras na maioria das vezes, a menos que a espécie em questão não seja altamente venenosa.



  • Christensen, C. B., Christensen-Dalsgaard, J., Brandt, C., & Madsen, P. T. (2012). Hearing with an atympanic ear: good vibration and poor sound-pressure detection in the royal python, Python regius. Journal of Experimental Biology, 215(2), 331-342.
  • Young, B. A. (2003). Snake bioacoustics: toward a richer understanding of the behavioral ecology of snakes. The Quarterly Review of Biology, 78(3), 303-325.