Como os polvos mudam de forma e cor?

O mecanismo de camuflagem em polvos precisa cumprir pelo menos 3 pontos para ser eficiente: mudar de forma, mudar de cor e mudar a textura da pele.
Como os polvos mudam de forma e cor?
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Revisado e aprovado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 21 dezembro, 2022

Os cefalópodes são um grupo de animais que se caracterizam por terem “pés na cabeça”, o que lhes confere a aparência icônica do táxon. Esses organismos têm uma grande diversidade de aparências e habilidades. Um exemplo disso são as células pigmentares que mudam a forma e a cor dos polvos ou outros cefalópodes.

Os polvos são verdadeiros artistas da ilusão, pois suas incríveis habilidades permitem que eles se escondam de forma muito eficaz. Essa capacidade de camuflagem é chamada de cripse e consiste em imitar as características de seu ambiente para se esconder. Continue lendo e descubra como os polvos mudam de forma e cor.

Quem são os polvos?

Os polvos ou octópodes são conhecidos por terem oito membros em forma de tentáculos. Eles têm um corpo bastante macio, então na maioria das vezes se movem muito perto do chão. Eles também têm uma estrutura especial que expele água pressurizada conhecida como sifão. É isso que lhes permite escapar em alta velocidade quando impulsionados por um jato de água.

Esses invertebrados são conhecidos por serem um dos mais inteligentes que existem. Eles aprendem muito rapidamente e são capazes de resolver problemas cognitivos simples. De fato, seu cérebro parece funcionar de maneira semelhante ao humano, já que ambos contêm diferentes tipos de neurônios. Graças a isso, seu sistema nervoso tem a possibilidade de resolver tarefas ainda mais complexas.

A capacidade cognitiva dos polvos não apenas afeta sua capacidade de resolver problemas, mas também modifica suas habilidades de defesa. Esses animais têm a capacidade de mudar a forma e a cor de seu corpo, de modo que “se misturam” ao ambiente para fugir. No entanto, para conseguir isso, eles precisam fazer um censo de todo o seu ambiente e entender sua estrutura e cor.

O processamento das informações recebidas por meio de seus sentidos precisa ser rápido, pois em um ataque de predador ele tem pouco tempo para reagir. Por isso, o simples ato de “misturar-se” com o ambiente exige uma grande capacidade cognitiva.

Um polvo no mar.

Como os polvos mudam de forma e cor?

Formalmente, a habilidade que os polvos usam para mudar sua forma e cor é conhecida como cripse. É muito semelhante ao mimetismo, com a diferença de que o animal que o realiza tenta se assemelhar ao ambiente e não a outro ser vivo. Graças a isso, esses animais são difíceis de encontrar, pois passam grande parte do tempo se escondendo de predadores.

A estrutura física dos polvos não lhes fornece meios específicos de defesa contra predadores. Seu corpo não tem garras e é composto principalmente de músculos, o que torna impossível para ele se envolver diretamente com qualquer inimigo. Por esta razão, os polvos optaram por desenvolver mecanismos complexos que permitem que permaneçam ocultos.

Como eles mudam de cor?

O mecanismo que realiza a mudança de cor nos polvos é composto por um conjunto de pigmentos (cromatóforos) e várias células refletoras (iridióforos). Por um lado, os cromatóforos funcionam como uma bolsa que contém um grande número de pigmentos básicos (amarelo, vermelho e marrom), que não se combinam entre si.

Os cromatóforos são cercados por muitos músculos e nervos que controlam sua forma. Quando se expandem, os pigmentos têm espaço para emitir sua coloração, então juntos produzem a mudança de cor na pele do polvo. Na verdade, esse efeito é muito parecido com o que acontece com os pixels de uma foto, onde cada pigmento contribui com sua cor para produzir a tonalidade final.

O único problema é que, para que os polvos produzam qualquer cor, eles precisam de azul. O referido pigmento não faz parte dos cromatóforos, mas o resolve com a presença de outras células conhecidas como iridióforos. Essas células funcionam como uma espécie de espelho, dependendo de sua posição, são capazes de refletir a luz e produzir uma determinada tonalidade. Graças a isso, o polvo complementa a função de camuflagem sem nenhum problema.

O polvo gigante é uma das melhores mães da natureza.

Como eles mudam a forma do corpo?

Como mencionado, a maior parte do corpo dos polvos é composta de músculos. É isso que faz com que sua aparência seja bastante fraca e até esquiva. No entanto, essa característica desempenha um papel importante em sua camuflagem, pois com os mecanismos corretos, é capaz de contrair seu corpo e formar texturas.

Dito de outra forma, para mudar a aparência do seu corpo, ele precisa contrair seus músculos com grande precisão e mantê-los assim por um tempo. Esse processo permite que seu corpo se curve, permaneça estático ou modifique a aparência de sua pele, apenas para se assemelhar ao ambiente. Dessa forma, os polvos podem assumir quase qualquer forma no ambiente marinho.

Os polvos são animais magníficos que possuem mecanismos de defesa incríveis. Eles conseguiram tirar proveito de seus recursos menos úteis, além de produzir um sistema de camuflagem complexo e quase infalível. Como se isso não bastasse, eles têm uma grande capacidade cognitiva, que juntos transforma esse cefalópode em um verdadeiro mestre da ilusão.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Cloney, R. A., & Brocco, S. L. (1983). Chromatophore organs, reflector cells, iridocytes and leucophores in cephalopods. American Zoologist, 23(3), 581-592.
  • Mäthger, L. M., & Hanlon, R. T. (2007). Malleable skin coloration in cephalopods: selective reflectance, transmission and absorbance of light by chromatophores and iridophores. Cell and tissue research, 329(1), 179-186.
  • Williams, T. L., Senft, S. L., Yeo, J., Martín-Martínez, F. J., Kuzirian, A. M., Martin, C. A., … & Deravi, L. F. (2019). Dynamic pigmentary and structural coloration within cephalopod chromatophore organs. Nature communications, 10(1), 1-15.
  • Styfhals, R., Zolotarov, G., Hulselmans, G., Spanier, K. I., Poovathingal, S., Elagoz, A. M., … & Seuntjens, E. (2022). Cell type diversity in a developing octopus brain. bioRxiv.
  • Gilmore, R., Crook, R. & Krans, J. L. (2016) Cephalopod Camouflage: Cells and Organs of the Skin. Nature Education 9(2):1

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.