Como os tubarões caçam?

Avistar tubarões não é um sentido muito eficiente, pois eles só conseguem detectar uma presa a 1 ou 2 metros de distância. Mesmo assim, apresentam outros mecanismos sensíveis.
Como os tubarões caçam?

Última atualização: 07 novembro, 2021

Os tubarões são os organismos aquáticos mais temidos do mundo. Eles ganharam muito dessa fama por seus tamanhos imensos e suas mandíbulas ferozes. Porém, essas características não são as únicas que os tornam excelentes predadores, já que os tubarões caçam suas presas graças às suas incríveis estratégias sensoriais e anatômicas.

Esses peixes cartilaginosos têm que ser engenhosos para pegar suas vítimas, pois a eficácia nas caçadas não depende apenas de ser o organismo mais forte. Esses predadores devem ser eficazes em gastar o mínimo de energia possível, sem sacrificar a quantidade de comida que ingerem. Continue lendo para aprender como os tubarões caçam e algumas de suas estratégias.

As ferramentas do tubarão

Para entender por que esses tubarões são predadores tão eficientes, é necessário revisar algumas de suas características físicas. Como você sabe, esses organismos têm mandíbulas gigantescas que são protrusíveis, o que significa que podem se projetar um pouco da cavidade oral. Graças a isso, durante a caça eles podem impedir suas vítimas ao tentarem escapar.

Além disso, os dentes de tubarão são complexos e podem ser substituídos se fraturados. Dessa forma, sua boca possui uma série ilimitada de dentes afiados que se quebram ou se destacam, mas não afetam sua eficácia de forma alguma. Quando confrontados com uma presa de corpo duro, eles podem mastigá-la com a certeza de que sua mandíbula não será afetada.

Embora não seja perceptível, o tamanho dos indivíduos também lhes confere uma vantagem competitiva, pois graças a isso não é qualquer um que pode atacá-los. Além disso, os músculos que desenvolvem são tão fortes que lhes permitem nadar em alta velocidade. Essa situação é reforçada pela forma hidrodinâmica do seu corpo, que lhes confere um aspecto eficiente para uma perseguição aquática.

Os tubarões precisam de mecanismos sensíveis que sejam capazes de detectar qualquer presa (mesmo à noite). Por isso, esses organismos possuem órgãos sensoriais bem desenvolvidos, como as ampolas de Lorenzini, a linha lateral e o olfato. Com esses sentidos extras, eles são capazes de detectar cheiros, movimentos e campos elétricos emitidos pelos corpos de suas presas.

O tubarão é o animal com mais dentes?

Como os tubarões caçam?

Em geral, as técnicas de caça ao tubarão baseiam-se em perceber suas vítimas e atacá-las de surpresa. Esses organismos têm mais de um mecanismo sensorial, portanto, se algum estiver obstruído ou danificado, eles ainda serão capazes de capturar suas presas. Assim, o processo de caça aos tubarões pode ser dividido em 4 etapas específicas.

  1. Detecção: como primeiro contato, os tubarões podem receber algum sinal distante que revela a presa, seja pelo cheiro, pelo movimento ou pelo ruído que produz.
  2. Busca: assim que as primeiras pistas sobre a vítima são obtidas, o predador começa a segui-la e a procurar mais evidências de sua presença. Alguns espécimes frequentemente nadam em círculos (ou em figuras em forma de 8) para tentar obter pistas do seu alvo.
  3. Localização: nesse momento os caçadores já sabem a localização exata de sua presa, por isso começam a se mover cuidadosamente em sua direção. Ao contrário da crença popular, sua perseguição é lenta, pois isso impede que suas presas percebam sua presença.
  4. Ataque e captura: quando o tubarão está perto o suficiente de sua vítima, ele ataca com movimentos rápidos e eficazes para evitar sua fuga. Em algumas espécies é normal que primeiro imobilizem suas presas com algum tipo de golpe para devorá-las mais tarde, sem resistência.

Embora a maioria dos tubarões tenda a seguir as técnicas acima, alguns têm maneiras diferentes de capturar suas presas. Por isso, enquanto algumas espécies apenas abrem a boca e sugam a comida, outras mordem para ferir gravemente a vítima e evitar que fuja. Mesmo assim, todos esses mecanismos de captura dependem da capacidade sensorial do organismo.

O corpo do tubarão é importante

As adaptações que os tubarões apresentam vão além de seus sentidos ou comportamento, uma vez que a forma e a cor do corpo também desempenham um papel importante. Nesse sentido, a peculiar coloração clara na barriga e escura no dorso dos tubarões visa impedir suas vítimas de identificá-los na água.

Graças a isso, as presas abaixo desses organismos só enxergam a barriga clara, que se confunde com a luz da superfície. Pelo contrário, ao olhar para eles de cima, vê-se apenas o fundo escuro, que se confunde com o fundo do oceano. Essa simples diferença representa uma grande vantagem adaptativa para os tubarões.

Exemplos de tubarões e suas estratégias

Algumas espécies desses peixes cartilaginosos apresentam corpos com formatos diversos, o que costumam auxiliá-los na caça. Por isso, os maiores espécimes não caçam suas vítimas da mesma forma que os menores. Embora seja impossível listar todos eles, aqui estão alguns espécimes bem conhecidos e as estratégias exclusivas de cada um:

  • Tubarão-martelo (gênero Sphyrna): esses espécimes usam a cabeça para atacar suas presas. Dessa forma, eles as incapacitam e tiram sua vida de uma forma simples.
  • Tubarão-baleia (Rhincodon typus): o tamanho desses espécimes permite que eles sejam pouco ativos na caça, já que não dependem de seus movimentos para capturar seu alimento. Portanto, para se alimentar só precisam abrir a mandíbula e sugar uma grande quantidade de água. Em outras palavras, eles são filtradores.
  • Tubarão-limão (Negaprion brevirostris): essa espécie exibe um comportamento peculiar, mexendo a areia para criar uma cortina de “fumaça” que lhe permite atacar suas presas sem que elas percebam.
  • Tubarão-branco (Carcharodon carcharias): embora a maioria desses tubarões cace separadamente, eles ficam próximos um do outro para atacar juntos, se necessário. Dessa forma, aproveitam alguns cardumes ou áreas com recursos abundantes.
  • Tubarão-raposa (gênero Alopias): a longa cauda desses organismos também é uma ferramenta para a caça, pois eles podem utilizá-la como um chicote para atingir suas presas. Além do mais, acredita-se que esse mecanismo seja tão eficiente que eles podem capturar mais de um peixe ao mesmo tempo.
Um tubarão-martelo gigante.

Os tubarões têm corpos totalmente adaptados à predação, o que os coloca no topo da cadeia alimentar. A fama que possuem por serem perigosos não foi conquistada apenas por sua aparência, mas por sua habilidade e forma de atacar suas presas. É verdade que não são as espécies mais carismáticas, mas isso não ofusca o seu jeito interessante de conquistar os mares.

Pode interessar a você...
Tubarão-boca-grande: habitat e características
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Tubarão-boca-grande: habitat e características

O tubarão-boca-grande é uma espécie rara, da qual pouco se sabe sobre suas características. Confira aqui tudo o que se sabe sobre ele.



  • Martin, R. A., Rossmo, D. K., & Hammerschlag, N. (2009). Hunting patterns and geographic profiling of white shark predation. Journal of Zoology, 279(2), 111-118.
  • Garla, R. C., Gadig, O. B., Garcia, J., Veras, L. B., & Garrone-Neto, D. (2017). Hunting tactics of the lemon shark, Negaprion brevirostris, in shallow waters of an oceanic insular area in the western equatorial Atlantic. Neotropical Ichthyology, 15.
  • Klimley, A. P., Le Boeuf, B. J., Cantara, K. M., Richert, J. E., Davis, S. F., Van Sommeran, S., & Kelly, J. T. (2001). The hunting strategy of white sharks (Carcharodon carcharias) near a seal colony. Marine Biology, 138(3), 617-636.
  • Oliver, S. P., Turner, J. R., Gann, K., Silvosa, M., & D’Urban Jackson, T. (2013). Thresher sharks use tail-slaps as a hunting strategy. PLoS One, 8(7), e67380.
  • Gardiner, J. M., Atema, J., Hueter, R. E., & Motta, P. J. (2014). Multisensory integration and behavioral plasticity in sharks from different ecological niches. PLoS One, 9(4), e93036.