Conheça 5 peixes de rios da América do Sul

abril 2, 2019

O subcontinente sul da América é um território extenso onde diversas paisagens e climas coexistem. Contaremos neste artigo os detalhes sobre alguns dos principais peixes dos rios da América do Sul, que você pode encontrar viajando do Caribe para a Patagônia.

Você conhece estes peixes de rios da América do Sul?

A fauna de peixes de água doce da América do Sul é muito ampla e generosa, por isso vale a pena conhecer. Nessa oportunidade, apresentamos cinco peixes que habitam os rios desta parte do planeta.

  1. Pirarucu  (Arapaima gigas)

Também conhecido como paiche ou arapaima, é um dos maiores peixes encontrados em todo o mundo. Vive na bacia amazônica e pode atingir três metros de comprimento e pesar 250 quilos.

O Arapaima gigas – na imagem que abre este artigo – é um peixe osteoglossiforme, primitivo e carnívoro. Alimenta-se de outros peixes e pequenos animais terrestres que caem na água, embora possa pular para pegá-los.

Uma vez que vive em águas que, em certas épocas do ano, tornam-se pantanosas e pouco oxigenadas, tem a capacidade de respirar de forma atmosférica, de modo que leva a cabeça para a superfície.

Este fato facilita sua caça, já que sua carne é muito cobiçada pelos humanos desta região da América do Sul.

  1. Peixe Dourado (Salminus brasiliensis)

Antigamente chamado de Salminus maxillosus, o peixe dourado é um grande peixe caracídeo. Pode exceder um metro de comprimento e 30 quilos de peso.

Além disso, encontra-se em zonas tropicais e subtropicais, nas bacias dos rios Paraná, Paraguai, Uruguai, Chapare e Mamoré.

Peixe dourado
Fonte: https://sib.gob.ar

Chamado também de damita ou pirayú, é um grande predador e sua dieta é baseada principalmente em outros peixes. Geralmente migra ao longo dos rios que habita, perseguindo sua presa.

Este nadador rápido com grandes escamas tem o triste privilégio de ser um peixe favorito entre os adeptos da pesca esportiva.

Sua população diminuiu significativamente, embora hajam restrições que foram impostas nos últimos tempos para sua captura.

Você também deve se interessar: Alimentação da sanguessuga T. rex

  1. Surubim (pintado)

O Pseudoplatystoma é de hábitos migratórios. Pode ser encontrado desde a Venezuela até o Rio da Prata, mas sua presença se destaca, sobretudo, no rio Paraná.

Pertence ao gênero dos siluriformes peixes de água doce e à família dos pimelodídeos. Geralmente mede entre 50 e 70 centímetros de comprimento e pesa entre 15 e 30 quilos. Suas duas principais espécies são surubins e pintados.

Peixe surubim

Alimenta-se  principalmente de outros peixes, cobras e sapos. E, por sua vez, é um animal muito requisitado para seu uso na gastronomia e para a pesca esportiva.

  1. Truta Crioulo

Percichthys trucha, também chamado de poleiro pequeno, é uma espécie endêmica em rios, córregos, lagos e lagos do sul do Chile e da Argentina. Faz parte da ordem dos Perciformes.

É um peixe com o corpo oblongo, alargado, de cabeça pequena e mandíbula acoplada à boca. 

Truta crioulo

Ele se destaca pela resistência respiratória e pela adaptação à água salgada. Além disso, pode atingir 40 centímetros e pesar um pouco mais de um quilo.

Insetos aquáticos, moluscos, crustáceos e peixes pequenos são uma parte regular de sua dieta. Por outro lado, é uma presa atraente para a pesca esportiva.

Você também pode se interessar: O canto doce e melancólico do cardeal-amarelo

  1. Piranha

Diferentes espécies de peixes de vários gêneros dentro da família Serrasalminae, que inclui carnívoros, onívoros e até herbívoros, são conhecidas como piranhas. 

Em geral, medem entre 15 e 25 centímetros e são encontrados em toda a América do Sul, com exceção do Chile.

Estes peixes dos rios da América do Sul têm uma má reputação que nem sempre coincide com a realidade.

Piranha amazônica

Entretanto, a fantasia de ser devorado em poucos segundos por pequenos animais com dentes afiados não é fácil de remover da cabeça e o cinema tem contribuído o suficiente para alimentá-lo.

No entanto, ataques fatais não são a norma e geralmente ocorrem apenas se as piranhas se sentirem ameaçadas ou se a comida for escassa. E, na verdade, eles se movem em grupo como uma estratégia de defesa ao invés de ataque.