Escorpiões: oito coisas que você precisa saber

novembro 4, 2019
Os escorpiões são criaturas demonizadas, mas esses aracnídeos não são tão perigosos quanto muita gente imagina. O seu pior inimigo é o homem, que os aprisiona como animais de estimação, destrói o seu habitat natural e os extermina.

Na maioria das vezes, os artigos sobre escorpiões só servem para conscientizar as pessoas de como essas criaturas podem ser perigosas. No entanto, a má reputação desses insetos é relativamente injusta. Neste artigo, será possível conhecer algumas curiosidades sobre os escorpiões e descobrir que eles são seres incríveis com habilidades impressionantes.

8 curiosidades sobre os escorpiões

1. Os escorpiões são aracnídeos venenosos

Os escorpiões são artrópodes que pertencem à classe Arachnida. Os aracnídeos incluem as aranhas, os carrapatos e os ácaros; todos eles têm em comum o fato de possuírem um corpo dividido em duas seções e oito patas.

Escorpião na areia

Todos os escorpiões produzem veneno. Sua cauda de aparência assustadora está constituída por cinco segmentos do abdômen, curvados para cima, com um segmento final chamado télson, onde é produzido o veneno.

O extremo apresenta uma estrutura afiada em forma de agulha chamada acúleo, que inocula o veneno.

Um escorpião pode controlar quando produzir o veneno e qual quantidade inocular, caso precise matar uma presa ou se defender dos predadores.

2. Não são tão perigosos para as pessoas

A verdade é que, com raras exceções, os escorpiões não conseguem fazer muito mal aos humanos. Das quase 2.000 espécies de escorpiões conhecidas no mundo, somente 25 produzem um veneno suficientemente letal para um ser humano adulto.

As crianças pequenas correm mais risco, simplesmente porque o seu tamanho é menor. Nos Estados Unidos, há apenas uma espécie de escorpião que exige maiores cuidados. O escorpião do Arizona (Centruroides sculpturatus) produz um veneno suficientemente forte para matar uma criança pequena.

Os escorpiões são animais resistentes

Felizmente, o antídoto está amplamente disponível em postos de saúde em toda a região, de modo que as mortes são raras.

3. São vivíparos

Diferentemente dos insetos, que geralmente depositam os ovos fora de seus corpos, os escorpiões produzem crias já formadas. Ou seja, são vivíparos. A etapa gestacional pode ser muito curta (dois meses) ou bem longa (18 meses), dependendo da espécie.

Depois do nascimento, os escorpiões recém-nascidos sobem nas costas de suas mães, onde permanecem protegidos até trocarem de pele pela primeira vez.

4. Os escorpiões estão no planeta há muito tempo

Essas criaturas evoluíram de seres enormes – de cerca de um metro – que emergiram do mar. A evidência fóssil mostra que eles têm permanecido morfologicamente iguais até hoje.

Os primeiros antepassados do escorpião provavelmente viveram nos mares, e provavelmente tiveram brânquias. No período Siluriano, há 420 milhões de anos, algumas dessas criaturas chegaram à terra firme, de maneira que o seu antepassado estava aqui antes dos dinossauros.

5. Podem sobreviver a quase qualquer coisa

Sabendo da sua antiguidade, é possível imaginar que são animais surpreendentemente resistentes. Embora normalmente vivam de dois a três anos, alguns escorpiões podem viver até os 25 anos. Os escorpiões são mesmo os campeões da sobrevivência.

Um escorpião pode sobreviver um ano inteiro sem comer nem beber. Isso é possível graças ao fato de poderem diminuir o seu metabolismo quando o alimento é escasso. Devido a terem pulmões folhosos ou foliáceos, podem sobreviver mesmo permanecendo submersos na água durante horas.

Os escorpiões vivem em ambientes adversos e secos. Têm taxas metabólicas extremamente baixas e só precisam de um décimo do oxigênio da maioria dos insetos.

Os escorpiões têm mostrado uma alta resistência aos efeitos das emissões radiativas. Isso faz com que a possibilidade de que sobrevivam a um ataque nuclear seja muito mais alta do que a maioria das outras espécies animais.

Mestres em se adaptar, não é coincidência que os escorpiões tenham colonizado todos os continentes do planeta, exceto a Antártida.

6. Comem quase tudo aquilo que podem capturar

São caçadores noturnos. A maioria dos escorpiões se alimentam de insetos, aranhas e outros artrópodes, mas alguns se alimentam de larvas e minhocas.

Curiosidades sobre os escorpiões

Os escorpiões de tamanho grande podem comer presas maiores. Sabe-se, inclusive, de alguns que se alimentam de pequenos roedores e lagartos.

Enquanto alguns comem de tudo, outros se especializam em presas particulares, como certas famílias de escaravelhos ou aranhas escavadoras. Uma mãe faminta comerá as suas próprias crias se os recursos forem escassos.

7. Brilham no escuro

Esta é uma das maiores curiosidades sobre os escorpiões. Por razões que os cientistas ainda estão debatendo, eles brilham sob a luz ultravioleta. A cutícula – ou pele – do escorpião absorve a luz ultravioleta e a reflete como luz visível.

Os escorpiões brilham sob a luz ultravioleta

Essa característica tem permitido aumentar o número de espécies de escorpiões documentadas. Os fósseis de escorpião ainda podem emitir fluorescência, apesar de terem passado centenas de milhões de anos incrustados nas rochas.

7. A dança do acasalamento, uma das curiosidades sobre os escorpiões

Os escorpiões participam de um elaborado ritual de acasalamento que inclui uma dança. A dança começa quando o macho e a fêmea fazem contato. Durante a dança, o macho encontra um lugar adequado para o seu espermatóforo.

Ritual de acasalamento dos escorpiões

Assim que deposita o seu pacote de esperma, guia a fêmea sobre ele e coloca a sua abertura genital para que possa recolher o esperma. Na natureza, o macho costuma se retirar rapidamente quando o acasalamento é finalizado. Em cativeiro, geralmente a fêmea devora o seu parceiro. 

  • Santillan, E. G. (2004). Diversidad, taxonomía y habitat de alacranes. Artrópodos de Chamela, 25-35.
  • Castilla, A. M., & Pons, G. X. (2007). Primeros datos sobre la población de escorpiones (Buthus occitanus) en las Islas Columbretes (Mediterráneo, España). Bolletí de la Societat d’Història Natural de les Balears, 50, 257-268.
  • Abolafia, J., Arbea, J. I., Garcia, L., Hernando, C., López-Rodríguez, M. J., Mauriès, J. P., … & Subías, L. S. (2016). Invertebrados de interés en cuevas y simas de la Sierra de Segura (Jaén, Andalucía, España). Actas Espeleo Meeting Ciudad de Villacarrillo, 105, 111.
  • Ortuño, V. M., & Martínez-Pérez, F. D. (2011). Diversidad de artrópodos en España. Memorias de la Real Sociedad Española Historia Natural2(9), 235-284.