Diferenças entre formigas rainhas e operárias

As castas das formigas compõem uma rede de ajuda mútua que torna a vida eficiente dentro do formigueiro. Isso é conhecido como o nível mais alto de organização social, razão pela qual elas também são chamadas de organismos eussociais.
Diferenças entre formigas rainhas e operárias
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Escrito e verificado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 12 janeiro, 2023

As formigas têm uma das sociedades mais complexas que existem hoje, pois usam um sistema de castas que lhes permite trabalhar com eficiência. Graças a isso, enquanto alguns se encarregam de obter alimentos ou proteger o ninho, outras cuidam da rainha e expandem as galerias. A cooperação entre cada indivíduo na colônia é essencial para a sobrevivência do grupo.

Esta sociedade é governada por uma formiga rainha, que produz todas as operárias que geralmente apresentam diferenças físicas evidentes entre elas. Na verdade, ambas nascem de ovos férteis, mas algumas se tornam matriarcas e outras são apenas as “servas” que cuidam do ninho. Continue lendo e descubra o que torna os membros do formigueiro tão diferentes.

Quais são as características de cada casta?

Existem pelo menos 4 castas diferentes dentro do formigueiro, embora esse número possa aumentar dependendo da espécie em questão. Todas elas são produzidas pela matriarca da colônia (rainha) e possuem diversas diferenças entre si. Algumas características de cada um dos grupos intracoloniais são as seguintes:

  1. Operárias: são fêmeas inférteis que eclodem de ovos fertilizados. Elas têm tamanhos diferentes, dependendo do seu processo de desenvolvimento. Em geral, seus corpos têm melhor rigidez do que outras castas porque precisam de bastante resistência para realizar suas tarefas. São responsáveis por cuidar dos ovos, alimentar a rainha, expandir o ninho e sair para caçar.
  2. Rainhas (aladas ou sem asas): fêmeas férteis que eclodem de ovos fertilizados. Elas são produzidas apenas durante a época de acasalamento. São os maiores indivíduos do ninho, pois seu corpo está adaptado para botar ovos constantemente.
  3. Soldados: fêmeas inférteis que eclodem de ovos fertilizados. São muito semelhantes às operárias, mas com um tamanho corporal maior. Algumas espécies têm mandíbulas alongadas que servem para responder à agressão. Sua principal tarefa é defender a colônia de qualquer invasor.
  4. Machos (alados ou sem asas): vêm de ovos não fertilizados. Eles têm metade da carga genética normal (haplóides) e seus tamanhos são ligeiramente menores que os das operárias em geral. A única função que eles têm é acasalar com as rainhas virgens para que possam fundar novos formigueiros. No entanto, eles morrem logo após cumprir seu objetivo.

A principal diferença entre os machos e qualquer uma das fêmeas é sua carga genética. As rainhas usam essa estratégia para sua forma de reprodução, já que a maioria das espécies acasala apenas uma vez na vida. Portanto, elas mantêm o esperma dentro do corpo e o dosam para fertilizar seus óvulos, embora economizem grandes quantidades produzindo machos a partir de óvulos inférteis.

Uma formiga soldado se comunica com uma formiga operária.

Por que existem diferenças entre soldados e operárias?

À primeira vista, pode-se dizer que as formigas-soldados são mais uma classificação dentro da casta operária. No entanto, parece que isso não é tão simples como se acreditava anteriormente. Segundo artigo publicado na Revista Especializada em Ciências Químico-Biológicas, o tamanho dos indivíduos também desempenha um papel importante na divisão de tarefas.

A diferença de tamanho que existe entre cada casta de formigas é conhecida como polimorfismo, que se acredita ser uma das muitas adaptações dos Formicidae. Na verdade, esse mecanismo está programado nos genes da espécie com o objetivo de criar indivíduos com características adequadas para cada tarefa.

Assim, os soldados crescem e desenvolvem mandíbulas melhores porque serão destinadas à defesa do formigueiro.

Por que existem diferenças entre formigas rainhas e operárias?

Tanto a rainha quanto as formigas operárias têm diferenças físicas visíveis quando adultas. No entanto, a pergunta pode permanecer: se ambas nascem de um óvulo fertilizado, por que exibem tantas características diferentes ao nascer? De acordo com um artigo publicado na Current Biology, isso acontece porque cada ovo é estimulado de forma diferente durante a eclosão.

Ou seja, as futuras rainhas têm uma dieta preferencial, são expostas a feromônios, temperaturas e outros componentes químicos que determinam sua transformação em matriarca. Do outro lado da moeda, as operárias têm apenas os cuidados básicos que são dados a todos os membros do ninho.

Por incrível que pareça, essa diferença na reprodução desencadeia um processo epigenético que “ativa” certos genes nas rainhas. Isso significa que todas as fêmeas têm a capacidade latente de se tornarem rainhas. No entanto, apenas aquelas que passam pelo atendimento preferencial conseguem “ativar” essas características e se tornar uma.

Algumas formigas em massa.

Adaptação evolutiva

Esse processo epigenético é mais uma adaptação da formiga, pois permite que ela produza castas com grandes diferenças, como a rainha e a operária, a partir do mesmo genoma. Graças a isso, as espécies não apenas economizam tempo, mas também são capazes de criar uma sociedade complexa e diversificada, com grande capacidade de sobrevivência.

Rainhas operárias: as ergatóides

Embora na maioria das espécies as diferenças entre rainhas e operárias sejam evidentes, em algumas há exceções que causam confusão em seu estudo. É o caso das rainhas com aparência de operárias ou também chamadas de ergatóides. Esses indivíduos substituem as matriarcas caso morram para manter o formigueiro ativo.

Os ergatóides possuem grande funcionalidade dentro da colônia, pois são bastante versáteis e economizam recursos para o ninho. Essa adaptação de algumas espécies, como as do gênero Mystrium, não seria possível se as rainhas e operárias não tivessem o mesmo genoma.

Operárias com capacidades de rainha: os gamergates

O processo evolutivo das formigas é complexo e bastante lento. De fato, grande evidência disso é a existência de operárias que ainda mantêm sua capacidade reprodutiva. Esses indivíduos são conhecidos como gamergates e estão presentes em espécies “ancestrais”, ou seja, mantêm características antigas.

Um exemplo disso é o gênero Harpegnathos, cuja formiga rainha não apresenta grandes diferenças em relação à operária. De fato, as outras fêmeas ainda têm a capacidade de se reproduzir, embora não o façam por “comando” de sua matriarca. Somente no caso de a rainha morrer, as operárias terão a possibilidade de começar a botar ovos e substituí-la.

Como você pode ver, o simples fato de manter o mesmo genoma para todos os organismos dá às formigas uma grande flexibilidade. Embora pareçam diferenças simples e sem sentido, na verdade são muito complexas e proporcionam vantagens evolutivas que a rainha e a operária aproveitam para suas espécies. Elas são provavelmente um dos menores animais ao redor, mas são capazes de coisas incríveis.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Peeters, C. P. (1991). Ergatoid queens and intercastes in ants: two distinct adult forms which look morphologically intermediate between workers and winged queens. Insectes Sociaux, 38(1), 1-15.
  • Heinze, J. (1998). Intercastes, intermorphs, and ergatoid queens: who is who in ant reproduction?. Insectes Sociaux, 45(2), 113-124.
  • Molet, M., Fisher, B. L., Ito, F., & Peeters, C. (2009). Shift from independent to dependent colony foundation and evolution of ‘multi-purpose’ergatoid queens in Mystrium ants (subfamily Amblyoponinae). Biological journal of the Linnean Society, 98(1), 198-207.
  • López-Riquelme, G. O., & Ramón, F. (2010). El mundo feliz de las hormigas. Tip Revista Especializada en Ciencias Químico-Biológicas, 13(1), 35-48.
  • Chittka, A., Wurm, Y., & Chittka, L. (2012). Epigenetics: the making of ant castes. Current Biology, 22(19), R835-R838.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.