Geckos: alimentação e características

Os geckos são lagartos que se alimentam principalmente de insetos, tais como grilos ou baratas. Com corpos ágeis, os geckos podem se mover muito rapidamente em praticamente qualquer superfície.
Geckos: alimentação e características

Última atualização: 16 Agosto, 2020

É chamada de gecko (subordem Gekkota) qualquer uma das mais de 1.000 espécies de lagartos que compõem as seis famílias da  subordem GekkotaNa sua maioria, os geckos são pequenos, mas têm corpos curtos e robustos, cabeças grandes e membros tipicamente bem desenvolvidos.

A maioria das espécies tem de 3 a 15 centímetros de comprimento, incluindo o comprimento da cauda. Assim como ocorre com outros lagartos, a cauda dos geckos é bastante longa e equivale a aproximadamente metade do seu comprimento total.

Eles se adaptaram a habitats que incluem desde desertos até selvas. Algumas espécies procuram coabitar com os seres humanos.

Classificação

Os geckos formam uma infraordem dos sauropsídeos escamados. Eles estão distribuídos em seis famílias: Carphodactylidae, Diplodactylidae, Eublepharidae, Gekkonidae, Phyllodactylidae e Sphaerodactylidae.

A Eublepharidae é a família que inclui os geckos listrados (Coleonyx) do sudoeste dos Estados Unidos, os geckos (Aleuroscalabotes) da Indonésia e da península da Malásia e outros que têm pálpebras móveis.

Traços característicos dos geckos

A maioria das geckos tem pés modificados para escalarAs pontas dos seus longos dedos são cobertas com pequenas placas que possuem vários terminais minúsculos. Esses terminais são parecidos com pelos e se bifurcam no final.

Geckos: alimentação e características

Esses ganchos microscópicos aderem a pequenas irregularidades da superfície, permitindo, assim, que os geckos escalem superfícies lisas e verticais e até mesmo corram por tetos lisos. Alguns geckos também têm garras retráteis.

Durante seus esforços para evitar predadores, os geckos parecem ser rápidos o suficiente para atravessar a superfície de um corpo d’água sem afundar.

Essa habilidade foi demonstrada em apenas uma espécie (Hemidactylus platyurus)No entanto, os herpetologistas argumentam que muitos outros geckos também podem possuí-la. 

Assim como as cobras, a maioria dos geckos tem uma cobertura protetora transparente sobre os olhos. As pupilas de espécies noturnas comuns são verticais e frequentemente são lobuladas, de modo que se fecham para formar quatro pontos de referência.

Geckos: alimentação e características

A cauda de um gecko pode ser longa e afiada, curta e arredondada ou até mesmo globular. Assim, em muitas espécies, a cauda serve como um depósito de gordura do qual o animal pode se desfazer em condições desfavoráveis. Esse membro também pode ser extremamente frágil e, caso venha a cair, regenera-se rapidamente até recuperar sua forma original.

Ao contrário de outros répteis, a maioria dos geckos emitem sons. Os chamados diferem de acordo com a espécie e variam desde um leve ‘clique‘ ou chilreio até uma gargalhada ou latido agudo.

Reprodução e distribuição dos geckos

A maioria das espécies é ovípara e seus ovos são brancos com casca dura. Geralmente, são colocados sob a casca das árvores ou presos à parte inferior das folhas. Algumas espécies na Nova Zelândia dão à luz filhotes vivos.

Os geckos são abundantes nas áreas quentes do mundo. Há pelo menos algumas espécies que são encontradas em todos os continentes, exceto na Antártica.

As cores dos geckos  geralmente são monótonas, com predominância de cinzas, marrons e brancos sujos. No entanto, o gênero Phelsuma, composto por geckos diurnos de Madagascar, é ativo durante o dia e tem uma colocação verde brilhante.

Hábitos alimentares dos geckos selvagens

Na natureza, os geckos comem qualquer coisa que seja pequena o suficiente para ser capturada e consumida. Insetos como grilos e gafanhotos são a sua principal opção alimentar se estiverem em seu ambiente nativo sem restrições.

Os geckos também consomem pequenos artrópodes, tais como aranhas, centopeias e pequenos escorpiões. Pequenos roedores, especialmente os filhotes ainda no ninho, também estão na sua lista de presas. Eles ainda têm gostos canibais, já que podem comer até mesmo filhotes de geckos.

Geckos: alimentação e características

Alimentação em cativeiro

Replicar a dieta selvagem em cativeiro não é uma opção viável. No entanto, é apropriado fornecer uma variedade de opções alimentares. Idealmente, isso incluiria grilos, vermes-da-farinha, bichos-da-seda, vermes-da-cera e gafanhotos.

A maior parte da dieta de um gecko em cativeiro deve ser composta por grilos, já que os diferentes tipos de vermes que os geckos gostam de comer não oferecem o mesmo nível de nutrição que os insetos.

As moscas das frutas são como doces para os filhotes de geckos, porém são nutritivas. Semanalmente, é recomendável oferecer um rato com um dia de vida para os geckos adultos. Isso é feito para simular o hábito selvagem de comer pequenos roedores.

Grilos na dieta dos geckos: com que frequência, quantos e de que tamanho

Um gecko adulto deve comer de 2 a 10 insetos. Essa quantidade é considerada dentro dos hábitos alimentares normais. Durante as fases de crescimento, os filhotes de gecko podem consumir até 20 grilos em uma única refeição. É recomendável que você saiba o tamanho da cabeça do seu gecko antes de comprar insetos para alimentá-lo.

É melhor alimentar o gecko com insetos que não sejam maiores do que a largura da sua cabeça, a fim de evitar a asfixia – se o alimento ficar preso na garganta do gecko, pode ser uma condição potencialmente fatal.

Recomenda-se um prato pequeno e bem plano, que seja grande o suficiente para que o gecko possa beber. Se o prato for muito grande, o gecko ficará tentado a tomar banho nele e, assim, vai contaminar sua água potável.

Pode interessar a você...
A fauna da Austrália: conheça os animais endêmicos do país
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A fauna da Austrália: conheça os animais endêmicos do país

Quando éramos crianças, ouvíamos histórias sobre a fauna da Austrália, mas este país tem muito mais para nos mostrar do que apenas os marsupiais típicos.



  • Avery, R. A. (1980). Feeding ecology of the nocturnal gecko Hemidactylus brookii in Ghana. Amphibia-Reptilia, 1(3), 269-276.
  • Marquet, P. A., Bozinović, F., Medel, R. G., Werner, Y. L., & Jaksić, F. M. (1990). Ecology of Garthia gaudichaudi, a gecko endemic to the semiarid region of Chile. Journal of Herpetology, 24(4), 431-434.
  • Díaz, J. A. (2017). Actividad reproductiva y dieta de Hemidactylus frenatus (Sauria: Gekkonidae) en el norte de Colombia. Papéis Avulsos de Zoologia, 57(36).