A maratona dos pinguins de Fiordland

agosto 13, 2019
Os pinguins de Fiordland fazem uma viagem migratória de até 6.800 quilômetros, o que significa nadar cerca de 80 quilômetros por dia.

Os pinguins de Fiordland ou tawaki são uma das espécies mais raras que existem. Estas aves com crista vivem na Nova Zelândia e foram pouco estudadas pela ciência, por isso as últimas descobertas sobre elas são incríveis.

Os pinguins tawaki migram em um momento estranho, quando há comida de sobra na região onde vivem, a Ilha Sul da Nova Zelândia. Os pesquisadores suspeitam que isso possa acontecer devido ao parentesco com pinguins próximos ao Ártico, onde essas migrações são mais normais.

De fato, se esses animais se reproduzissem mais ao norte, não seria possível fazer essa migração espetacular que a Universidade de Otago se dispôs a estudar através do uso de transmissores.

A colocação de 10 dispositivos em machos e fêmeas adultos permitiu conhecer a rota destes animais.

Pinguins mergulhando em águas congeladas

Os pinguins que fazem uma maratona

Os dados descobertos pelo grupo de pesquisadores foram incríveis: os pinguins desta espécie viajavam entre 3.500 e 6.800 km de distância. A migração, de 69 dias, é uma das mais longas já vistas em pinguins, obrigando-os a nadar até 80 quilômetros por dia.

Os pinguins migram para o sul da Tasmânia para fazer esta incrível viagem, que leva ao limite a capacidade de nado dessas aves migratórias.

Alguns machos levam mais tempo para fazer a viagem de volta, provavelmente devido aos cuidados com os seus filhotes.

Conheça os pinguins de Fiordland

Esta espécie de pinguim com crista é, sem dúvida, incrível, porque estamos falando de animais de tamanho médio com uma crista amarela, embora o corpo seja semelhante ao de qualquer outro pinguim. Estes animais não costumam exceder os seis quilos.

Conheça os pinguins de Fiordland

Sua dieta se baseia principalmente em cefalópodes, sendo o consumo de lulas o mais comum entre os pinguins dessa espécie.

No entanto, o pinguim de Fiordland também se alimenta de crustáceos, como o krill, e raramente consome peixe, por mais curioso que pareça. Apenas 2% de sua dieta é baseada em peixes.

Uma espécie ameaçada

Estes animais não estão em perigo de extinção, embora sejam considerados uma espécie vulnerável, uma categoria próxima das espécies ameaçadas. Portanto, é preciso protegê-los.

Nos anos 90 havia 2.500 casais e, embora não tenhamos um censo atualizado, há suspeitas de que a população continua a diminuir.

Acredita-se que antigamente havia colônias de milhares de exemplares reprodutores em ilhas próximas, mas é possível que a caça em tempos polinésios tenha feito com que as grandes populações desta espécie desaparecessem, uma vez que a caça ao pinguim era algo importante para as culturas dessa área.

Assim como acontece com outras espécies de pinguins, a pesca, as alterações climáticas e a poluição são algumas das maiores ameaças para esta espécie rara.

Os pesquisadores alertam para a necessidade de proteger estes animais antes que suas incríveis viagens se tornem as últimas a serem feitas por esses pinguins.

Thomas Mattern et al. “Marathon penguins – Reasons and consequences of long-range dispersal in Fiordland penguins / Tawaki during the pre-moult period”. PLOS ONE, 29 de agosto 2018. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0198688.