O mexilhão e as suas técnicas de criação

janeiro 27, 2020
As técnicas de cultivo de mexilhão têm uma longa tradição em países da América do Sul e da Europa, como Chile e Espanha.

O mexilhão é um molusco bivalve amplamente conhecido e cultivado em todo o mundo, e é um dos frutos do mar mais apreciados na gastronomia. A seguir, falaremos sobre as principais técnicas de cultivo de mexilhão usadas na Espanha e em outros países com uma longa experiência nas mesmas.

As principais técnicas de criação dos mexilhões

Como veremos, essas técnicas e métodos foram desenvolvidos a partir da tecnologia disponível em cada momento, além de se adaptarem às especificações de cada país produtor.

Criação de mexilhões em estacas (bouchots)

Provavelmente, essa técnica de origem francesa é a mais antiga que continua a ser usada até hoje, pois ela tem a sua origem no século XIII. O método consiste em pregar postes verticais na zona entre-marés e depois enrolar cordas de fibra de coco ao seu redor.

Nos bouchots, os mexilhões são fixados naturalmente em cordas de fibra natural, mas também é adicionada uma rede para impedir que os animais se desenrolem dessa estrutura.

É uma técnica relativamente barata, com um impacto ambiental leveComo desvantagem, pode-se mencionar que exige regiões com grande variação de maré para que os postes possam ser acessíveis na maré baixa e sejam completamente cobertos na maré alta.

Atualmente, os bouchots estão concentrados principalmente nas regiões costeiras do norte da França, como Normandia e Bretanha. Essas são áreas de grande produção.

Criação de mexilhões em estacas (bouchots)

Cultivo do mexilhão em plataformas flutuantes (bateas)

Na criação de mexilhões, grandes plataformas de madeira construídas nas águas costeiras são chamadas de bateas. Nestas plataformas, é possível acumular mais de 500 cordas de fibra natural, que geralmente têm cerca de 12 metros de comprimento e atuam como um substrato onde os mexilhões são fixados.

O cultivo de mexilhões em bateas é especialmente popular na Espanha. Atualmente, estima-se que existam mais de 3.000 bateas nos estuários galegos; elas produzem uma média de 280.000 toneladas de mexilhões por ano.

Criação com Longline e boias plásticas flutuantes

Essa técnica um pouco mais moderna combina cordas tradicionais de fibra natural (longlines) com boias flutuantes de plástico. Na superfície, as boias flutuantes são conectadas por linhas horizontais enquanto seguram as cordas verticais de fibra que se estendem até o fundo do mar, nas quais os mexilhões são pendurados.

A principal vantagem dessa técnica é que os mexilhões ficam sempre submersos na água. Atualmente, é o método de cultivo mais utilizado em países como Chile, Irlanda e Nova Zelândia.

Quais espécies de mexilhões são cultivadas nos incubatórios?

Embora existam muitos tipos de moluscos bivalves conhecidos como mexilhões no mundo, três espécies são as mais cultivadas em incubatórios e as mais apreciadas na gastronomia internacional.

A seguir, vamos enumerar quais são essas três espécies de mexilhões que podem ser encontradas nos incubatórios:

Mexilhão-comum (Mytilus edulis)

Mexilhões-comuns ou atlânticos são os mais cultivados em incubatórios, e a sua população também é a mais difundida no mundo. O cultivo dessa espécie pode ter sido o primeiro a ser desenvolvido, e a sua colheita já existe desde o século VI a.C.

Diversos exemplares de mexilhão

Naturalmente, esses mexilhões vivem entre as rochas nas zonas entre-marés: eles habitam todo o norte da Europa e as margens do continente americano, Irlanda e Inglaterra. Há alguns anos, essa espécie também foi introduzida em incubatórios na China.

Mexilhão-do-mediterrâneo (Mytilus galloprovincialis)

Como o nome indica, é uma espécie adaptada às águas do mar Mediterrâneo. Portanto, é intensamente cultivado na Espanha, Itália, Grécia, sul da França, Albânia, Turquia, Marrocos e Argélia.

Mexilhão-do-mediterrâneo (Mytilus galloprovincialis)

Atualmente, é a espécie mais cultivada na Espanha e na Europa. No entanto, está na lista da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), que destaca as 100 espécies exóticas invasoras mais nocivas do mundo.

É caracterizada por ser mais escura que o mexilhão atlântico tradicional.

Mexilhão-chileno (Mytilus chilensis)

Espécies de mexilhão

O mexilhão-chileno é uma espécie típica da América do Sul, que habita e é cultivada nas costas do Chile, Peru, Brasil e Ilhas Falkland. O Chile é o país com mais experiência no cultivo em cativeiro dessa espécie. Seus incubatórios são muito produtivos desde os anos 60.