Mexilhão-zebra: características de uma espécie invasora

O mexilhão-zebra é um exemplo perfeito dos graves danos que as espécies invasoras podem causar e quão crítico é o seu controle precoce e eficaz.
Mexilhão-zebra: características de uma espécie invasora

Última atualização: 31 Maio, 2021

Ao pensar em uma espécie invasora, vêm à nossa mente exemplos muito evidentes: as famosas caturritas, as tartarugas americanas que infestam os rios espanhóis ou os gatos domésticos, que são devastadores. No entanto, uma das espécies invasoras mais prejudiciais parece muito mais insignificante: estamos falando do mexilhão-zebra.

Sendo um mexilhão, esse invertebrado não se move nem caça. Sua única defesa é sua concha. Apesar disso, são animais perigosos. Eles têm uma capacidade incrível de colonizar ecossistemas aos quais não pertencem, uma vez introduzidos pelo homem.

As consequências da invasão do mexilhão-zebra são terríveis, tanto para a natureza local quanto para o ser humano, causando enormes prejuízos econômicos. Se você quiser saber mais sobre o assunto, continue lendo.

Como é o mexilhão-zebra?

O mexilhão-zebra (Dreissena polymorpha) é um molusco bivalve muito pequeno. Atinge no máximo 3 centímetros, embora geralmente seja menor. A forma exata do seu padrão, suas cores e sua concha são variáveis, o que motivou seu nome científico. Mesmo assim, podem ser identificadas algumas características comuns desse invertebrado.

O padrão geralmente é composto de faixas irregulares claras e escuras que costumam estar em zigue-zagues, mas podem ser lisas. As escuras geralmente são castanhas ou pretas, e as claras são creme ou pálidas.

Por outro lado, a concha é mais ou menos triangular, com 2 lados mais retos e um arredondado. O umbo – vértice que une os 2 lados retos – é bastante agudo. Os outros 2 vértices são muito mais arredondados.

Além disso, um dos lados retos é mais longo do que o outro. Esse lado é mais espesso e plano, permitindo que o mexilhão se mantenha em pé se colocado sobre esse lado em uma superfície plana. Isso permite diferenciar Dreissena polymorpha de outros mexilhões.

 

Um mexilhão-zebra em uma pedra.

De onde vem?

Esse molusco vive em águas doces e salgadas. A sua distribuição natural se limita às bacias do Mar Negro e do Mar Cáspio, que estão localizados no leste da Europa e fazem fronteira com a Ásia.

No entanto, sua distribuição atual abrange grande parte do globo e está em constante expansão. Atualmente, o mexilhão-zebra aparece como uma espécie invasora na Espanha nas comunidades da Catalunha, La Rioja, Castela e Leão, Aragão, Comunidade Valenciana, Navarra, País Basco e Andaluzia.

Essa espécie também foi introduzida na maioria dos países europeus. Grécia, França, Suécia ou Bélgica são apenas alguns exemplos. O mesmo vale para os Estados Unidos, onde colonizou a maioria dos estados, e para algumas áreas do Canadá.

Como é característico das espécies invasoras, o mexilhão-zebra se espalhou pelo mundo todo por causa dos seres humanos. Nesse caso, o culpado mais provável é a navegação.

Estipula-se que o mexilhão tenha sido transportado de suas áreas naturais na água de lastro das embarcações ou fixado em suas diferentes superfícies. As transferências de água entre bacias hidrográficas e destinadas ao transporte de peixes exóticos também contribuíram para o problema. Outro vetor a ser considerado são equipamentos contaminados de qualquer natureza.

Esses mexilhões têm uma tolerância enorme aos níveis de salinidade, temperatura e dessecação. Além disso, são muito resistentes ao cloro. Por isso, são extraordinários colonizadores.

Contanto que tenham uma superfície dura para se fixar e a disponibilidade de oxigênio seja adequada, os mexilhões podem se reproduzir e colonizar qualquer lugar para onde os humanos os transportarem. Sem dúvida, a resistência desse invertebrado é um perigo ecossistêmico fora de sua área natural de distribuição.

Danos causados pelo mexilhão-zebra

As espécies invasoras prejudicam gravemente os ecossistemas que colonizam, mas esses danos não se limitam apenas à vida selvagem. Os humanos também são muito afetados por sua presença. A seguir, mostramos o porquê.

Baixas humanas

A espécie D. polymorpha se fixa em massa a infraestruturas e maquinários de todos os tipos. Assim, obstrui tubulações, filtros, motores, barcos e tanques, entre outros. Isso prejudica as indústrias de energia, agricultura e turismo, além de dificultar o abastecimento dos centros urbanos. Tudo isso causa perdas econômicas significativas.

Esses invertebrados também são encontrados em áreas de recreação. Suas cascas são afiadas e podem cortar, representando um perigo para a saúde pública.

Perdas ambientais

Esses bivalves são filtradores altamente eficientes que se alimentam de plâncton, a base dos ecossistemas aquáticos. Ao fazer isso, eles transformam consideravelmente as características desses ecossistemas.

Os mexilhões aumentam a claridade da água, modificam os ciclos do fósforo, aumentam a deposição de matéria orgânica e a proliferação de bactérias e algas nocivas. Eles também diminuem a disponibilidade de oxigênio nos ecossistemas aquáticos. Todas essas alterações tornam os ambientes invadidos menos apropriados para a vida autóctone.

Por outro lado, esse molusco bivalve causa o desaparecimento de mexilhões nativos por competição direta. Espécies como Margaritifera auricularia, Anodonta cygnea e Unio elongatulus estão seriamente ameaçadas pelo mexilhão-zebra.

Além disso, também favorecem a transmissão de patógenos para a fauna local. Muitas aves morreram de botulismo – causado por uma bactéria tóxica – proveniente desses mexilhões, segundo fontes jornalísticas profissionais.

 

Um mexilhão-zebra colado a uma folha.

Como já foi comprovado, o mexilhão-zebra é uma espécie muito perniciosa. Seu controle é muito importante, mas também muito complicado. Portanto, como sempre acontece nesses casos, a melhor estratégia para evitar os danos é prevenir a introdução de potenciais espécies invasoras.

Pode interessar a você...
Os 4 animais aquáticos domésticos mais populares
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Os 4 animais aquáticos domésticos mais populares

Os animais aquáticos domésticos podem ser uma excelente primeira opção para animais de estimação. Eles tendem a ser mais independentes que outros pets.