Primeiros passos para cuidar de uma colônia de formigas

As formigas são insetos fascinantes que podem ser criados em casa. De qualquer modo, você deve ter certas noções claras antes de montar um formigueiro.
Primeiros passos para cuidar de uma colônia de formigas

Última atualização: 18 dezembro, 2021

As formigas são um grupo de insetos himenópteros pertencentes à família Formicidae. É um táxon extremamente diverso que colonizou quase todos os ambientes do mundo, dando origem a mais de 22 mil espécies existentes hoje (das quais apenas cerca de 13,8 mil foram descritas). Estima-se que esses animais formem 15-25% da biomassa animal terrestre.

Existem muitas, muitas espécies nesse apaixonante grupo, e cada uma tem suas próprias necessidades exclusivas, mas há uma série de dicas universais que todo criador deve levar em consideração se quiser cuidar de uma colônia de formigas a longo prazo. Aqui, mostramos as bases desse emocionante hobby.

1. Saiba bem sobre as bases de uma colônia de formigas

Com certeza para começar você terá em mãos uma rainha sem asas dentro de um tubo de vidro ou plástico. A maioria das colônias de formigas é estabelecida em cativeiro a partir de uma única fêmea fertilizada, um processo conhecido como fundação. Antes de considerar a manutenção de um formigueiro a longo prazo, você deve conhecer bem as castas que o compõem:

  • Rainha: é o coração do formigueiro e, na maioria dos casos, o único exemplar capaz de pôr ovos fertilizados. A rainha nasce com asas e deixa sua colônia original em busca de machos. Depois de fertilizada, ela armazena os espermatozoides de vários deles em sua espermateca, retira suas asas e se enterra. Algumas rainhas vivem até 30 anos.
  • Operárias: nascem de ovos fertilizados postos pela rainha, mas não têm a capacidade de se reproduzir e não têm asas quando eclodem. Elas se encarregam de expandir o formigueiro, manter as larvas, preservar a rainha e buscar alimento. As operárias vivem muito menos que a mãe (geralmente menos de 1 ano) e podem ser contadas aos milhares na colônia.
  • Machos: os machos eclodem de ovos não fertilizados que a fêmea põe quando a colônia é grande o suficiente. Eles são sempre alados e sua única missão é se reproduzir, morrendo em poucos dias.
  • Princesas: são rainhas em potencial que nascem com asas quando a colônia já está madura. Elas voam se as condições forem favoráveis e buscam ser fertilizadas para fundar um novo formigueiro.

Durante os estágios iniciais da colônia, a rainha põe ovos que darão origem apenas às operárias, que são conhecidas como nurses. Como nascem em condições um tanto adversas e as reservas de energia de suas mães são limitadas, elas vivem menos do que operárias normais.

Um grupo de formigas.

2. Identifique a espécie que você adquiriu

Antes de continuar, você deve conhecer bem os requisitos da espécie em questão. Algumas rainhas ficam enclausuradas e usam suas reservas de energia para pôr seus primeiros ovos até a eclosão das nurses, enquanto outras ficam semienclausuradas e precisam ir para uma área de forrageamento para caçar e consumir proteínas.

Por outro lado, as características da espécie ditarão as condições em que você deve manter sua rainha ou colônia. As formigas europeias geralmente suportam amplas faixas térmicas (15-30° C), enquanto as formigas tropicais não devem ficar em temperaturas abaixo de 23-24° C em quase nenhum momento. A umidade relativa também é um parâmetro a ser levado em consideração.

Algumas espécies de clima árido requerem 50-60% de umidade, enquanto certas formigas asiáticas precisam de 90% ou mais.

3. O tubo será seu melhor aliado

Como já dissemos nas linhas anteriores, a grande maioria das rainhas é comprada nas lojas em um tubo com um “bebedor” integrado na extremidade (uma bola de algodão úmida). Esse é um meio mais do que adequado para a fundação em espécies enclausuradas, pois dá à rainha umidade suficiente para poder se hidratar e desovar. Nesses casos, você nem precisará alimentá-la.

Quando as primeiras nurses nascerem, você deve começar a dar comida à colônia na forma de néctar açucarado e insetos mortos (na maioria dos casos, mas não em todos). Não tenha pressa e não mova as formigas para fora do tubo até que você veja cerca de 20-25 operárias. Jogá-las em um formigueiro muito espaçoso antes do tempo só fará com que fiquem estressadas e morram.

Essa regra não se aplica a espécies semienclausuradas. Algumas rainhas são caçadoras e precisam de uma área de forrageamento para caçarem sozinhas.

4. Alimente as formigas de acordo com suas necessidades

As primeiras operárias terão a tarefa de alimentar a rainha e cuidar dela enquanto ela põe o próximo lote de ovos. Dá para ver como elas fazem pela trofalaxia, ou seja, pela transmissão direta de fluidos da boca da nurse para a progenitora.

Nesse ponto, você deve saber muito bem o que exatamente a espécie come para cuidar de sua colônia de formigas. A maioria dos espécimes incluídos na subfamília Formicinae se alimenta de proteína morta (restos de carne e insetos moribundos) e néctar. Por outro lado, a subfamília Ponerinae é muito mais agressiva e seus espécimes caçam invertebrados vivos de forma ativa.

A espécie Messor barbarus, uma das mais típicas, se alimenta principalmente de sementes. No entanto, os gêneros padrão (como Camponotus) requerem apenas proteínas mortas e néctar açucarado.

5. Escolha o formigueiro certo

Quando a colônia crescer o suficiente, você terá que virar o tubo (suavemente) ou conectá-lo a um formigueiro para que as próprias operárias e a rainha possam se mover. É muito importante escolher uma instalação adequada para a espécie, pois é muito comum a extinção da colônia por escolher um formigueiro ruim após a fase de fundação dentro do tubo.

É muito importante que você não use formigueiros do tipo sanduíche (de areia entre 2 vidros), com géis ou outros materiais estranhos. Procure por instalações feitas com acrílicos específicos para formigas, muito melhor se forem antifugas. Alguns modelos são específicos para espécies que requerem alta umidade e possuem torres d’água ou esponjas com reservatórios para hidratar o ambiente.

Por outro lado, os formigueiros do tipo ytong serão muito úteis para espécies tropicais que requerem umidade excepcionalmente alta. Lembre-se de que você deve injetar água nessas instalações de vez em quando para manter esse valor em 90% constantemente.

Cuide da sua colônia de formigas: divirta-se e não baixe a guarda!

Assim que a rainha e as operárias se moverem e o formigueiro tiver cerca de 40-50 espécimes, a fundação estará concluída e a colônia começará a crescer exponencialmente. É difícil que a rainha morra nesse momento, mas você nunca deve baixar a guarda. Siga as dicas que mostramos para cuidar de sua colônia de formigas de forma eficaz em todos os momentos:

  1. Remova os restos que não são ingeridos periodicamente. Não fazer isso irá fomentar infecções e doenças de longo prazo na colônia.
  2. Faça a diapausa (se a espécie assim o exigir). Algumas espécies de formigas precisam de uma queda nas temperaturas durante o inverno para se desenvolverem bem, algo semelhante à hibernação dos mamíferos. Não pule essa etapa se sua colônia precisar.
  3. Cuidado com os ácaros. Os ácaros são uma das maiores ameaças no hobby da mirmecologia. Se você detectá-los em qualquer um de seus formigueiros, diminua drasticamente a umidade (menos de 60%) e isole a colônia até que seja desinfetada.
Como se livrar dos ácaros do formigueiro?

Além de tudo o que foi dito acima, você deve ter em mente que nem todas as espécies permanecem iguais e que algumas têm requisitos muito específicos. O segredo para cuidar de uma colônia de formigas a longo prazo é informar-se amplamente sobre as necessidades de cada espécime específico antes de sua aquisição e durante a manutenção do formigueiro.

Pode interessar a você...
Insetos de estimação: um formigueiro em casa
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Insetos de estimação: um formigueiro em casa

Quando pensamos em escolher um animal de estimação, praticamente nunca pensamos em insetos. Geralmente pensamos em cães, gatos, talvez um roedor......



  • Smith, C. R., & Suarez, A. V. (2010). The trophic ecology of castes in harvester ant colonies. Functional Ecology24(1), 122-130.
  • Campbell, K. U., Klompen, H., & Crist, T. O. (2013). The diversity and host specificity of mites associated with ants: the roles of ecological and life history traits of ant hosts. Insectes Sociaux60(1), 31-41.
  • Philpott, S. M., Perfecto, I., Armbrecht, I., & Parr, C. L. (2010). Ant diversity and function in disturbed and changing habitats. Ant ecology1, 137-156.