O que é a tanatose?

outubro 8, 2019
A tanatose é uma estratégia evolutiva utilizada por animais de diferentes táxons como uma última alternativa para enfrentar os predadores. Esta capacidade de sobrevivência havia sido subestimada pelas pesquisas até algumas décadas atrás, mas ultimamente tem assumido um papel mais relevante.

A tanatose é um fenômeno de estratégia defensiva. O animal adota esse comportamento, por meio do qual simula que está morto, como uma técnica de proteção diante de possíveis predadores.

Origem do termo

A palavra tanatose é uma combinação das palavras gregas thanat(o), que significa ‘morte’, e ō-sis, que equivale a ‘processo’. A união de ambas dá lugar à expressão ‘executar uma pena de morte’.

Por isso, posteriormente a palavra foi redefinida no campo da Zoologia, que lhe deu o significado com o qual é conhecida atualmente. Foi definida como «o recurso de alguns animais que fingem estar mortos diante de situações de perigo».

Essa estratégia evolutiva contra a predação também recebe outros nomes, como ‘catatonia’, ‘hipnose animal’ o ‘imobilidade tônica’.

Tudo sobre a tanatose

A predação é um comportamento importante na vida dos animais selvagens, já que influencia diferentes aspectos, como a alimentação e a sobrevivência – tanto dos filhotes quanto dos adultos – entre outros.

As presas desenvolveram diferentes estratégias para poder enfrentar seus predadores e, entre elas, encontra-se a tanatose.

A Ecologia estuda a interação existente entre um predador e a sua presa. Essa interação divide-se em etapas, e começa com a proximidade dos indivíduos. Continua com a detecção, identificação, aproximação, contato, submissão e, finalmente, consumo.

A tanatose também é chamada de ‘morte fingida’. Essa técnica antipredadores é adotada por diferentes espécies. Os animais ativam essa técnica quando o predador está próximo deles ou, inclusive, depois de se estabelecer contato com eles.

A denominação mais correta é imobilidade tônica, ou tonic immobility (TI), em inglês. Acredita-se que inibe o ataque adicional dos predadores, e o predador não aplica mais a ação de submeter a presa na intenção de que ela não escape.

As características principais que diferenciam essa estratégia são as seguintes:

  • Catalepsia ou imobilidade. Postura rígida sustentada por uma atividade muscular tônica acentuada.
  • Flexibilidade cerácea das extremidades.
  • Ausência de estímulos externos.
  • Capacidade de manter esse estado durante segundos ou horas.

A tanatose é considerada uma estratégia diferente da imobilidade ou congelamento, já que estas são utilizadas antes que o predador faça contato.

Também é diferente do mecanismo de adotar uma postura eriçada; busca intimidar o predador, bem como proteger regiões vulneráveis do corpo. Por outro lado, a tanatose é uma técnica de último recurso.

Tudo sobre a tanatose

O processo de tanatose acaba tão rápido quanto começa. O animal se reativa em poucos segundos e atinge a sua máxima capacidade, apesar de ter mantido esse estado de imobilidade absoluta.

Até algumas décadas atrás, havia poucas pesquisas que estudavam esse fenômeno. Por essa razão, esse comportamento está registrado apenas em uma série de táxons, embora acredite-se que possa estar presente em outras espécies.

Espécies que realizam a tanatose

Diferentes pesquisas determinaram os táxons nos quais foi observada essa estratégia antpredadores. Ela é utilizada, principalmente, por invertebrados, como aranhas, borboletas, escaravelhos, formigas, abelhas e marimbondos.

Também foi observada em vertebrados. Especificamente, foi registrada nos cinco grupos: mamíferos, répteis, peixes, aves e anfíbios.

Contudo, a distribuição exata da tanatose não é totalmente clara nem em vertebrados nem em invertebrados.

Compartilhamos alguns exemplos dessa técnica a seguir:

Holotrochus hispanicus

Essa espécie de coleóptero modificou a sua morfologia para se adaptar ao processo da tanatose. Normalmente, os espécimes tendem a recolher as patas por baixo do corpo.

Entretanto, esse coleóptero dobrava diferentes partes das patas. Além disso, a suas antenas recolhiam-se para trás, na crista supraocular e nos olhos.

Finalmente, a postura que essa espécie adota dá lugar a um corpo cilíndrico, do qual nenhuma das partes se sobressai.

Pisaura mirabilis

Esta aranha caçadora tem uma forma incomum de utilizar a tanatose. Foi observado que os machos são mais atraentes para as fêmeas quando levam presas paralisadas para elas. Porém, para a aranha fêmea o macho em movimento pode ser mais chamativo do que a presa paralisada.

Por isso, os machos entram em tanatose quando já fizeram a oferenda à fêmea. Até a fêmea começar a se alimentar da presa, os machos não saem do estado de tanatose. Uma vez que o macho se ativa, a cópula tem início.

Foi observado que esse comportamento não é realizado por todos os machos. Não obstante, também foi registrado um maior sucesso reprodutivo naqueles machos que entram em tanatose.

Pisaura mirabilis

Outros animais, como patos, vacas, rãs, e répteis como a cobra-de-água-viperina (Natrix maura) e a Psammodromus occidentalis, foram incluídos na lista das espécies que realizam tanatose.

Antigamente, essa técnica defensiva era menosprezada, apesar de haver evidências de exemplares que a aplicam em diferentes táxons.

  • Outerelo, R.; Gamarra, P;  Urbaneja, A; Casteñera, P. y Monzo, C. Holotrochus hispanicus nov. sp. (Coleoptera, Staphylinidae, Osoriinae) de Valencia, España y su curioso fenómeno de tanatosi. Bol R Soc Esp Hist Nat (Sec Biol). 2010;114.
  • Humphreys RK, Ruxton GD. A review of thanatosis (death feigning) as an anti-predator behaviour. Behav Ecol Sociobiol. 2018;72(2):22. doi:10.1007/s00265-017-2436-8.
  • Rogers, S. M. & Simpson, S. J. Thanatosis: Current Biology. Elsevier. 2014; 24(21) [Internet]. [citado 17 de julio de 2019]. Disponible en: https://www.cell.com/current-biology/comments/S0960-9822(14)01064-1.
  • dicciomed.eusal.es tanatosis [Internet]. [citado 17 de julio de 2019]. Disponible en: https://dicciomed.usal.es/palabra/tanatosis
  • Fernández-Guiberteau D, Casado FC. Tanatosis en lagartija roquera (Podarcis muralis), lagartija occidental ibérica (Psammodromus occidentalis) y culebra viperina (Natrix maura). Butll. Soc. Catalana Herpetologia. 2016;  23: 93-96. [Internet]. Disponible en: https://soccatherp.files.wordpress.com/2016/02/tanatosis-muralis-psammodromus-natrix.pdf