Tartaruga-aligátor: habitat e características

A tartaruga-aligátor é uma espécie que tem uma determinação do sexo mediada pela temperatura do ambiente. Além disso, é um dos maiores e mais letais quelônios do mundo. Você quer saber mais?
Tartaruga-aligátor: habitat e características

Última atualização: 15 Julho, 2021

Quando ouvimos a palavra “tartaruga”, vem à mente a imagem de um lindo réptil com uma carapaça, porém, existe uma espécie que mais se parece com um pequeno dinossauro. A tartaruga-aligátor (Macrochelys temminckii) possui características físicas que lembram um jacaré ou crocodilo, pelo fato de apresentar diversos picos e elevações por todo o corpo.

Como se sua aparência não bastasse, esse réptil possui uma mordida poderosa que pode causar danos aos tecidos de qualquer vertebrado. É um animal grande e robusto, por isso é capaz de causar muitos danos se for perturbado. Continue a leitura e aprenda mais sobre essa espécie tão fascinante e perigosa.

Características da tartaruga-aligátor

A tartaruga-aligátor pode chegar a pesar mais de 80 quilos e é capaz de viver até 70 anos em cativeiro. Ela se caracteriza por ter um corpo coberto por escamas e placas ósseas, que apresentam constrições em forma de pico. Por outro lado, sua carapaça possui 3 fileiras de pontas ao longo do corpo, o que confere ao animal uma aparência espinhosa e arcaica.

O comprimento do seu corpo pode chegar a cerca de 75 centímetros e sua cauda se destaca por ser espessa e longa. A carapaça da espécie chega a medir cerca de 30 centímetros, portanto, algumas partes de seu corpo ficam desprovidas de proteção. No entanto, esse quelônio está armado com garras afiadas e uma forte mandíbula com bico, então sua couraça não é sua única defesa.

As cores da tartaruga são escuras e variam do marrom acinzentado ao verde-oliva. Por habitar as correntes dos rios, seu corpo costuma estar revestido de algas.

 

Uma tartaruga-alugátor com a boca aberta.

Como essa tartaruga vive?

O modo de vida desse réptil centra-se em manter a sua posição dentro das correntes de água, visto que é onde obtém a maior parte da sua alimentação. Sua forma física lhe permite levar vantagem, pois se confunde facilmente com o fundo dos rios. Apesar disso, move-se bastante ao longo dos corpos d’água e designa locais de descanso para poder se abrigar.

Por outro lado, não é uma espécie migratória, portanto seu habitat é bastante limitado. Apesar de passar a maior parte de sua vida na água, ao se reproduzir bota seus ovos na terra. Por causa de suas características, é considerado um predador do mais alto nível trófico, o que significa que possui pouquíssimos inimigos na idade adulta.

Como se alimenta?

Essa espécie é carnívora durante as primeiras fases de sua vida. No entanto, à medida que se desenvolve, amplia seu leque nutricional e passa ao status de onívora. Sua dieta é composta por vários peixes, aves, insetos, anfíbios, mamíferos, crustáceos e até outras tartarugas.

Além disso, esses quelônios não têm preferência por um tipo de carne, pois em cativeiro podem comer qualquer composto de carne, inclusive carniça.

A boca desse animal desenvolveu uma característica especial para ser capaz de atrair e caçar peixes. A ponta da língua desse organismo assemelha-se à aparência de um verme (formato vermiforme) com o objetivo de enganar os peixes para que se aproximem. Durante o “teatro”, a tartaruga-aligátor fica imóvel no fundo da água com a boca aberta e, quando sua presa chega perto, dá uma mordida rápida, certeira e letal.

Esse réptil caça preferencialmente à noite, quase como uma espécie noturna. No entanto, também apresenta atividade diurna, razão pela qual pode ser classificada como espécie oportunista.

Reprodução

A tartaruga-aligátor é uma espécie ovípara, que só atinge a maturidade sexual aos 11 ou 17 anos. Além disso, os machos geralmente são maiores do que as fêmeas. Os ninhos desse organismo ficam com aproximadamente 35 ovos por postura, mas têm alta probabilidade de serem predados. Essa é uma das razões pelas quais suas populações diminuíram.

Em 2013, o Departamento de Biologia e Museu de História Natural da Universidade de Louisiana conduziu um experimento para aprender sobre a predação sofrida por esses ninhos. Essa equipe descobriu que 100% dos abrigos foram destruídos e os ovos se tornaram comida para outros animais. Esses resultados não são incomuns, pois dependendo da época, no máximo 20% dos filhotes conseguem nascer.

Como se não bastasse, desses filhotes que chegar a sair dos ovos, apenas 19,5% chegam à idade juvenil. Por conta disso, a proteção dos ninhos tem sido proposta como forma de prevenir o declínio populacional e a possível extinção dessa espécie.

O sexo dessas tartarugas é determinado pela temperatura na qual os ovos são incubados. Além disso, seu desenvolvimento em águas quentes acima de 30° C faz com que cresçam mais rápido.

Distribuição da tartaruga-aligátor

A tartaruga-aligátor é uma espécie aquática nativa dos rios dos Estados Unidos. É restrita a corpos d’água que fluem para o Golfo do México, portanto, sua distribuição abarca desde a Flórida até o leste do Texas, passando por Arkansas, Geórgia, Louisiana e Oklahoma.

É considerada a maior espécie de água doce da região, embora tenha sofrido décadas de predação humana. A população desse réptil decresceu a níveis que começam a ser preocupantes, por causa da demanda por sua carne para o preparo de pratos típicos de algumas regiões, como a sopa de tartaruga.

É possível ter uma tartaruga-aligátor como animal de estimação?

Embora possa parecer um animal de estimação exótico ideal para aquários gigantes, não é recomendado manter uma tartaruga-aligátor em casa. Características como seu tamanho e seu peso desempenham um papel muito importante quando se trata de pensar nos requisitos para que esse animal tenha uma vida plena. Por esse motivo, recomenda-se optar por alguma outra espécie de tartaruga como animal de estimação.

A extensão do seu habitat deve contar tanto com corpos d’água quanto com terra. Além disso, o ambiente deve ter vegetação, peixes, pedras e um fluxo constante de água. É por isso que apenas centros de proteção especializados, parques naturais ou zoológicos são capazes de arcar com a responsabilidade de manter e criar espécimes de tartaruga-aligátor em longo prazo.

Além disso, em termos de conservação, essa espécie está classificada como vulnerável. Essa situação se deve ao seu histórico de sobre-exploração, por parte dos seres humanos, e a problemas com o seu habitat e a sua reprodução. Felizmente, já existem vários esforços para protegê-la da extinção, então ainda nem tudo está perdido.

Em certas regiões é expressamente proibido manter essa espécie em casa sem autorização, devido ao tamanho que atinge e à força da sua mordida.

 

Uma tartaruga-aligátor em um aquário.

Apesar de suas mandíbulas mortais, essa espécie não se destaca por sua agressividade. No entanto, é necessário ter muito cuidado ao encontrar um espécime, pois sua mandíbula é capaz de quebrar ossos. Contanto que não ataque ou tente manipular o animal, você estará seguro. Um dos aspectos que sempre devemos ter em mente é o respeito pela natureza e seus membros.

Pode interessar a você...
Diferenças entre tartarugas de água e terra
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Diferenças entre tartarugas de água e terra

As tartarugas de água e terra se diferenciam devido ao habitat em que se desenvolvem, suas características físicas, sua personalidade e muito mais.



  • Sheil, C. A. (2005). Skeletal development of Macrochelys temminckii (Reptilia: Testudines: Chelydridae). Journal of Morphology263(1), 71-106.
  • Riedle, J. D., Shipman, P. A., Fox, S. F., & Leslie Jr, D. M. (2006). Microhabitat use, home range, and movements of the alligator snapping turtle, Macrochelys temminckii, in Oklahoma. The Southwestern Naturalist, 35-40.
  • Baker, S., Kessler, E., Darville-Bowleg, L., & Merchant, M. (2019). Different mechanisms of serum complement activation in the plasma of common (Chelydra serpentina) and alligator (Macrochelys temminckii) snapping turtles. PloS one14(6), e0217626.
  • Chaffin, K., Norton, T. M., Gilardi, K., Poppenga, R., Jensen, J. B., Moler, P., … & Mazet, J. (2008). Health assessment of free-ranging alligator snapping turtles (Macrochelys temminckii) in Georgia and Florida. Journal of wildlife diseases44(3), 670-686.
  • Jensen, J. B., & Birkhead, W. S. (2003). Distribution and status of the alligator snapping turtle (Macrochelys temminckii) in Georgia. Southeastern Naturalist2(1), 25-34.
  • Elsey, R. M. (2006). Food habits of Macrochelys temminckii (alligator snapping turtle) from Arkansas and Louisiana. Southeastern Naturalist5(3), 443-452.
  • Alhaboubi, A. R., Pollard, D. A., & Holman, P. J. (2017). Molecular and morphological characterization of a haemogregarine in the alligator snapping turtle, Macrochelys temminckii (Testudines: Chelydridae). Parasitology research116(1), 207-215.
  • Lescher, T. C., Briggler, J. T., & Tang-Martínez, Z. (2013). Relative abundance, population structure, and conservation of alligator snapping turtles (Macrochelys temminckii) in Missouri between 1993–1994 and 2009. Chelonian Conservation and Biology12(1), 163-168.
  • Holcomb, S. R., & Carr, J. L. (2013). Mammalian Depredation of Artificial Alligator Snapping Turtle (Macrochelys temminckii) Nests in North Louisiana. Southeastern Naturalist, 12(3), 478–491. doi:10.1656/058.012.0303
  • Trauth, S., Farris, J., & Rauschenberger, R. H. (2004). Incubation of alligator snapping turtle (Macrochelys temminckii) eggs in natural and agricultural soils. Applied Herpetology1(3-4), 299-309.