10 tipos de geckos

O nome "gecko" vem das vocalizações que esses organismos emitem, já que um tom típico de "geck" - "oh" é reconhecido entre seus gritos.
10 tipos de geckos
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Escrito e verificado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 12 março, 2023

Os geckos são um grupo bem reconhecido de répteis que fazem parte do mais diversificado táxon de vertebrados do mundo. Estes animais adaptaram-se a diferentes habitats, sendo possível encontrá-los em várias zonas do globo. Esta situação levou à existência de diferentes tipos de geckos com formas e cores incríveis.

Existem alguns problemas com a classificação taxonômica desses répteis, mas é geralmente aceito que a família Gekkonidae contém todas as espécies de geckos. Isso significa que, apesar de se parecerem muito com as lagartixas comuns, existem características que tornam esses animais únicos. Continue lendo e conheça 10 tipos de geckos neste espaço.

Como são os geckos?

Os geckos são pequenos répteis noturnos com escamas ao longo de seus corpos. Esses animais estão presentes em todos os continentes do mundo, exceto na Antártida. No entanto, são mais diversos ao longo da zona equatorial, já que os climas temperados são os preferidos desses organismos.

Embora sua aparência seja muito semelhante à de uma lagartixa, esses animais possuem características únicas. Uma delas é a sua grande capacidade de escalar graças às suas patas pegajosas, que lhes permitem escalar superfícies lisas e verticais. Por outro lado, eles exibem olhos grandes e sem pálpebras com pupilas que mudam de tamanho.

As escamas dos geckos são geralmente do tipo granular, com cores diferentes que dependem da área em que vivem. Sendo organismos que vivem se escondendo de seus predadores, seus tons combinam com o ambiente para evitar a detecção. Como se isso não bastasse, eles têm a capacidade de regenerar sua cauda e, às vezes, usá-la como mecanismo de defesa (autotomia caudal).

Embora a maioria desses organismos seja nativa da Ásia e da África, alguns conseguiram atingir outras áreas geográficas, o que provocou sua diversificação. A família Gekkonidae agrupa um total de quase 800 espécies e as formas, tamanhos e cores de cada uma delas são diferentes em cada região.

Tipos de geckos

Os geckos são animais com má reputação em várias regiões, pois sua aparência não é totalmente agradável para alguns. No entanto, essas espécies prestam um serviço ecológico único, pois combatem naturalmente os insetos-praga. Como se isso não bastasse, eles não são agressivos ou venenosos, portanto, não representam um problema para a sociedade.

Existe uma grande variedade de mitos e lendas em torno desses répteis, o que fez com que fossem caçados em diversas regiões. Para evitar essa situação, é necessário conhecer a diversidade desses organismos, bem como suas características inofensivas. A lista a seguir compila alguns tipos de geckos que existem no mundo.

1. Phyllodactylus lanei

Esta espécie é endêmica do estado de Nayarit e habita falésias, árvores e manguezais. Esses répteis são caracterizados por terem “cascos” em seus dedos, que na verdade são escamas alongadas e inofensivas. Extermínios foram realizados devido à crença de que esta espécie era venenosa. No entanto, não apresenta nenhuma toxina relevante para humanos.

2. Hemidactylus frenatus

Esta espécie é um habitante natural do Sudeste Asiático, mas já invadiu outros continentes como América, África e Austrália. Esse gecko se destaca por suas pupilas serrilhadas, que lhe conferem uma aparência incrível. Além disso, a coloração de seu corpo costuma ser bastante clara e alguns morfotipos parecem quase albinos.

Tal como o anterior, estes organismos tinha uma notória má reputação, razão pela qual eram habitualmente eliminados das zonas próximas da população. Vale lembrar que funcionam como grandes controladores de pragas, pois se alimentam de insetos como baratas e diversos tipos de mosquitos. Eliminá-los é uma perda muito grande para o ecossistema.

Um dos tipos de lagartixas.

3. Thecadactylus rapicauda

Esses espécimes estão distribuídos do sul do México ao norte do Equador. É uma espécie de vida arbórea, por isso habita florestas úmidas e temperadas. Por outro lado, as extremidades deste gecko têm dedos largos com garras que ele usa para se defender. Além disso, sua cauda pode se assemelhar à forma de um nabo quando se regenera.

Um dos tipos de lagartixas.

4. Tarentola mauritanica

Esta espécie de gecko é a mais comum na Península Ibérica, uma vez que é normalmente encontrada em zonas povoadas e no interior das casas. A coloração deste réptil é muito pouco atraente, pois é baseada em tons acastanhados-acinzentados. Em alguns lugares, esses geckos são erroneamente conhecidos como “escorpiões”, pois acredita-se que sejam capazes de cuspir veneno.

Esses répteis são completamente inofensivos e não produzem toxinas.

Uma lagartixa em uma parede.

5. Correlophus ciliatus

Esse gecko é nativo da Nova Caledônia, onde também vivem membros do grupo de geckos gigantes. Esses organismos foram considerados extintos até sua redescoberta em 1994, portanto estão atualmente sob proteção. Por sua vez, as características distintivas deste réptil são as cristas na parte superior dos olhos, com pequenos “pelos” sobre eles.

Esta espécie é mantida domesticamente, mas as populações selvagens estão ameaçadas.

Um dos répteis que são mantidos como animais de estimação.

6. Rhacodactylus lechianus

Esta espécie pode atingir tamanhos superiores a 30 centímetros de comprimento, o que a torna uma das maiores. Este réptil também é endêmico da Nova Caledônia e vive em árvores. Entre suas características mais marcantes estão os olhos claros, quase brancos, que contrastam com o corpo largo e a cor marrom-esverdeada.

Um espécime de Rhacodactylus leachianus.

7. Phelsuma grandis

Este tipo de gecko é endêmico de Madagascar e vive nas florestas subtropicais da região. Esses organismos rivalizam com Rhacodactylus lechianus em tamanho, pois também excedem 30 centímetros de comprimento. São exemplares diurnos que exibem uma coloração verde brilhante com manchas vermelhas, o que os torna fáceis de serem vistos em seu habitat.

Um phelsuma em uma folha.

8. Uroplatus phantasticus

Esta é outra espécie endêmica de Madagascar que se destaca por sua aparência peculiar, pois possui uma cauda em forma de folha e “cílios” sobre os olhos. As cores típicas desses espécimes são geralmente marrons, embora haja uma grande variedade de morfotipos que incluem tons escuros, roxos e laranjas.

9. Lygodactylus williamsi

Esse gecko é uma espécie peculiar e exuberante que se caracteriza por sua coloração azul. Este pequeno réptil só pode ser encontrado naturalmente na floresta de Kimboza (Tanzânia), de onde foi extraído ilegalmente para venda. Contudo, nem todos os espécimes exibem a cor azul brilhante, pois os morfotipos variam entre os tons preto, cinza e azul.

Um dos tipos de lagartixas.

10. Gekko gecko

Esta espécie tem uma distribuição muito ampla, pois embora seja nativa da Ásia, está presente na maioria dos continentes. É um réptil colorido, pois as cores que predominam em sua pele são uma combinação de cinza, vermelho, azul e marrom. Como se isso não bastasse, sua vocalização é bastante alta e distinta.

O macho desta espécie vocaliza para atrair a fêmea ou afastar outros machos.

Uma lagartixa tokay.

Como você pode ver, há uma infinidade de geckos com diferentes cores e formas. Embora esses organismos possam parecer excelentes animais de estimação, nem todos estão adaptados para sobreviver em cativeiro. Lembre-se de que algumas espécies só são bonitas se estiverem em seu habitat natural.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Caicedo Portilla, J. R. (2019). Presence of Hemidactylus frenatus and Hemidactylus mabouia (Squamata: Gekkonidae) in Leticia, Colombian Amazon. Biota colombiana, 20(2), 120-127.
  • Velazco, K., & RODRÍGUEZ, L. (2011). Lista y bibliografía de los gecos (gekkota: gekkonidae, phyllodactylidae, sphaerodactylidae) de cuba. Revista Colombiana de Ciencia Animal-RECIA, 3(1), 35-46.
  • Salvador, A. (2016). Salamanquesa común – Tarentola mauritanica. En: Enciclopedia Virtual de los Vertebrados Españoles. Salvador, A., Marco, A. (Eds.). Museo Nacional de Ciencias Naturales, Madrid. http://www.vertebradosibericos.org/
  • Vitt, L. J., & Zani, P. A. (1997). Ecology of the nocturnal lizard Thecadactylus rapicauda (Sauria: Gekkonidae) in the Amazon region. Herpetologica, 165-179.
  • Baldo, D., Borteiro, C., Brusquetti, F., García, J. E., & Prigioni, C. (2008). Reptilia, Gekkonidae, Hemidactylus mabouia, Tarentola mauritanica: Distribution extension and anthropogenic dispersal. Check List, 4(4), 434-438.
  • Aparicio Ramirez, A., Perez, K., & Telemeco, R. S. (2021). Thermoregulation and thermal performance of crested geckos (Correlophus ciliatus) suggest an extended optimality hypothesis for the evolution of thermoregulatory set‐points. Journal of Experimental Zoology Part A: Ecological and Integrative Physiology, 335(1), 86-95.
  • Bauer, A. M., Jackman, T. R., Sadlier, R. A., & Whitaker, A. H. (2012). Revision of the giant geckos of New Caledonia (Reptilia: Diplodactylidae: Rhacodactylus). Zootaxa, 3404(1), 1-52.
  • Fieldsend, T. W., & Krysko, K. L. (2019). Madagascar giant day gecko (Phelsuma grandis) established in Homestead, Miami-Dade County, Florida, USA. Reptiles & Amphibians, 26(2), 159-160.
  • Flecks, M., Weinsheimer, F., Böhme, W., Chenga, J., Lötters, S., & Rödder, D. (2012). Watching extinction happen: the dramatic population decline of the critically endangered Tanzanian Turquoise Dwarf Gecko, Lygodactylus williamsi. Salamandra, 48(1), 12-20.
  • Aowphol, A., Thirakhupt, K., Nabhitabhata, J., & Voris, H. K. (2006). Foraging ecology of the Tokay gecko, Gekko gecko in a residential area in Thailand. Amphibia-Reptilia, 27(4), 491-503.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.