As vespas morrem quando picam?

As abelhas morrem após picar outro ser vivo. Será que o mesmo acontece com as vespas? Como esses invertebrados alados se diferenciam quando se trata de defesa? Aqui nós traremos as respostas.
As vespas morrem quando picam?

Última atualização: 15 Setembro, 2021

A questão dessa vez é simples: as vespas morrem quando picam? Esses himenópteros, tão comuns no mundo e vistos como agressivos com as pessoas quando perturbados, levantam muitas questões sobre sua biologia e perigo, visto que observá-los de perto é tão indesejável quanto difícil (devido à sua velocidade durante o voo).

Entre os muitos fatos curiosos sobre as vespas, está seu método de defesa, baseado em um ferrão com a capacidade de inocular veneno. Sabemos como evitá-las e como nossa pele reage após uma picada delas, mas o que acontece com as vespas depois que introduzem seu ferrão em nosso corpo? Leia mais para descobrir.

Características gerais das vespas

Antes de responder à pergunta que nos interessa aqui, é necessário definir um pouco o que é uma vespa. Esses invertebrados são insetos hexápodes (com 6 patas) da ordem Hymenoptera, grupo no qual também são encontradas abelhas e formigas. Cerca de 153 mil espécies diferentes foram registradas nesse táxon, das quais mais de 30 mil são vespas.

As vespas têm adotado múltiplas formas e modos de vida, pois há parasitoides e caçadoras (como o gênero Pompilidae), solitárias (como a subfamília Eumeninae) e eussociais. A maioria dos himenópteros desse grupo é solitária e cuida da prole por conta própria, mas os representantes da família Vespidae têm uma organização social semelhante à das abelhas ou das formigas.

Damos especial ênfase a este último grupo, uma vez que faz parte dele a espécie que aqui nos interessa, Vespula vulgaris. A partir de agora, vamos nos referir à típica vespa-comum, pois é a que mais se encontra com o homem devido à sua ampla distribuição e capacidade de adaptação ao meio urbano.

Vespula vulgaris é um inseto social, que vive em favos e possui uma cor amarela característica com listras pretas.

 

Uma vespa em um fundo branco.

O ferrão das vespas

Agora que você sabe que a espécie mais comum nas cidades é a Vespula vulgaris, só nos resta revisar como é o seu ferrão. Curiosamente, esse dispositivo é um ovipositor modificado, ou seja, em seus ancestrais cumpria a função de introduzir os ovos no solo ou nas cavidades das árvores, para protegê-los de possíveis predadores e do clima.

Nas vespas, essa estrutura é endurecida, tem um formato pontiagudo e está em contato direto com as glândulas venenosas associadas. O composto inoculado no animal picado contém aminas (histamina, tiramina, serotonina e catecolaminas), peptídeos e proteínas, mas raramente é fatal ao ser humano (a menos que seja alérgico).

O ferrão é um mecanismo de defesa claro em himenópteros. Uma vespa pode picar por 2 motivos:

  1. Proteção: as vespas têm muito mais probabilidade de picar quando os humanos passam perto de seus favos ou tentam destruí-los. A razão de sua existência é proteger as larvas, por isso não hesitarão em usar o ferrão se o ninho estiver em perigo.
  2. Agitação: mover rapidamente as mãos pode confundir e agitar uma vespa em seu voo, fazendo com que ela pique.

Como o ovipositor é exclusivo das fêmeas, as vespas machos não têm ferrão e não podem picar.

As vespas morrem quando picam?

Nesse caso, a resposta é simples: não. Quem morre após inocular suas toxinas através do ferrão são as abelhas, não as vespas. Por que essa diferença biológica, se ambos são himenópteros e parentes relativamente próximos?

A resposta está na forma do ferrão. As abelhas possuem um ovipositor modificado com barbas ou espinhos na ponta, o que torna impossível retirá-lo da pele após sua penetração. Por isso, o ferrão fica preso na epiderme do animal picado, e a abelha, que perde parte do abdômen ao arrancá-lo, acaba morrendo.

Por outro lado, as vespas têm um ferrão muito mais liso e forte, capaz de se sair do corpo do invertebrado e picar sucessivamente em um intervalo de tempo muito curto. Elas não apenas não morrem, como são capazes de perseguir a vítima por vários metros e inocular o veneno em mais de uma ocasião.

Picada ou mordida?

Em última análise, também deve ser observado que as vespas têm mandíbulas altamente desenvolvidas, o que lhes permite morder animais e até mesmo tirar sangue. Em qualquer caso, a picada não acarreta a inoculação de veneno, de modo que a reação é apenas superficial e muito menos evidente. Os sintomas de uma picada real de vespa estão resumidos na seguinte lista:

  • Dor forte na área da picada.
  • Inchaço (edema) e vermelhidão.
  • Uma pápula branca no centro do edema, indicando o local exato da inserção do ferrão.

Esses sintomas normalmente devem se tornar menos perceptíveis horas após a picada, e nenhum atendimento médico é necessário. No entanto, se a pessoa for alérgica e forem observados sintomas de choque anafilático, uma injeção imediata de adrenalina é necessária, seja no ambiente de emergência médica ou por meio do uso do epipen que o paciente costuma carregar consigo.

As reações alérgicas graves a picadas de vespa podem ser mortais. Felizmente, não são comuns.

 

Em resumo, concluímos que as vespas não morrem ao picar um animal, mas as abelhas sim. Justamente por isso, é fundamental não incomodá-las excessivamente e tentar ficar longe de seus ninhos: uma vespa furiosa pode picar você várias vezes e persegui-lo até que você se afaste o suficiente do seu favo, então é melhor não dar motivos para brigas.

Pode interessar a você...
5 espécies de vespas
Meus Animais
Leia em Meus Animais
5 espécies de vespas

Divididas em duas famílias, vespulas e vespas, há cerca de 50 subespécies desses animais. Hoje falaremos sobre as 5 principais espécies de vespas.



  • Kolarich, D., Léonard, R., Hemmer, W., & Altmann, F. (2005). The N‐glycans of yellow jacket venom hyaluronidases and the protein sequence of its major isoform in Vespula vulgaris. The FEBS journal, 272(20), 5182-5190.
  • Griesbacher, T., Althuber, P., Zenz, M., Rainer, I., Griengl, S., & Lembeck, F. (1998). Vespula vulgaris venom: role of kinins and release of 5-hydroxytryptamine from skin mast cells. European journal of pharmacology, 351(1), 95-104.
  • Golden, D. B., Breisch, N. L., Hamilton, R. G., Guralnick, M. W., Greene, A., Craig, T. J., & Kagey-Sobotka, A. (2006). Clinical and entomological factors influence the outcome of sting challenge studies. Journal of allergy and clinical immunology, 117(3), 670-675.