Vison-americano: habitat e características

outubro 9, 2019
O vison-americano é uma das espécies incluídas no Catálogo Espanhol de Espécies Exóticas Invasoras.

O animal deste artigo é originário da parte norte do continente americano. Devido a razões como o seu grande potencial expansivo e colonizador, hoje em dia o vison-americano tem expandido o seu habitat para grande parte da Europa, Ásia e Nova Zelândia.

Saiba mais sobre ele a seguir.

Breve história evolutiva do vison-americano

Esse mamífero carnívoro foi descrito pela primeira vez em 1777 pelo naturista alemão Johann Von Schreber. O vison-americano faz parte da família dos mustelídeos.

Esse grupo de mamíferos se caracteriza pela sua dieta carnívora, o seu corpo alongado e a sua ampla área de distribuição. Existem várias espécies conhecidas entre os mustelídeos, como o furão, a doninha e o ratão-do-banhado.

Atualmente, são conhecidas duas espécies de vison: o vison-europeu (Mustela lutreola) e o vison-americano (Neovison vison).

Apesar de terem um certo grau de parentesco, as últimas pesquisas realizadas sobre o exemplar americano revelam que ele é um animal muito mais especializado.

Isso quer dizer que, em linhas gerais, o vison-americano está mais adaptado para a caça e a predação, o que é corroborado pelo formato do seu crânio e a sua forma corporal.

Características morfológicas

Em relação ao tamanho, pode-se dizer que o vison-americano é um mustelídeo de tamanho médio. O seu comprimento oscila entre 31 e 45 centímetros, e o seu peso vai de 400 gramas a 1,5 quilos.

Essas variações – sobretudo no peso – dependem da época do ano e do sexo, pois os machos costumam ser maiores.

Breve história evolutiva do vison-americano

As extremidades do vison são curtas, porém robustas. Isso, junto com a forma alongada do seu corpo, dá a eles uma vantagem na hora de entrar nas tocas das suas presas. O seu corpo termina numa cauda espessa e medianamente longa.

A cabeça é pequena, embora, quando comparada com a do espécime europeu, seja projetada mais para a frente. Os olhos e orelhas também são pequenos, mas isso não os impede de ter uma visão e uma audição excelentes.

A pelagem desses animais é densa e lustrosa, com uma coloração que varia dependendo da época do ano. No inverno, costumam predominar as cores escuras e pardas. No verão, a sua pelagem se encurta e as suas cores ficam mais apagadas.

O lábio inferior e o queixo do vison-americano são de uma cor branca muito característica. Esses padrões de coloração são úteis para distingui-los dos seus parentes europeus, já que estes costumam ter uma mancha branca adicional no lábio superior.

Habitat e distribuição do vison-americano

Como muitos outros mustelídeos, esses animais preferem os habitats com existência de água próxima. Por isso, é comum vê-los em rios, córregos ou lagos.

O vison-americano se sente mais seguro quando essas massas de água estão mais protegidas nas margens, seja por vegetação ou por rochas. É nessas áreas que eles podem se refugiar e escavar as suas tocas.

Vison americano em pé

Inicialmente, o vison estava distribuído pelos Estados Unidos e pelo Canadá. Porém, devido, em grande parte, ao interesse que ele despertou na indústria de peles, começou a ser introduzido artificialmente na América do Sul, Europa e Ásia.

Isso fez com que alguns exemplares tenham estabelecido povoações silvestres pelo mundo todo. A sua rápida expansão acionou o alarme em vários países.

De fato, o vison-americano está começando a expulsar algumas espécies autóctones de mustelídeos, especialmente o vison-europeu. No entanto, a campanha para reduzir a sua população, na maioria dos casos, não está dando resultados.

Essa situação levou a um endurecimento das medidas de controle nos criadouros produtores de pele, e fez com que o Governo espanhol impusesse medidas, como um plano de erradicação e a inclusão dessa espécie no Catálogo Espanhol de Espécies Exóticas Invasoras.

  • Martínez, A. B., Santos, I., & Carbonell, R. (2015). El visón americano Neovison vison (Schreber 1777) en España: posibles causas de su expansión, interacción con otros mamíferos semiacuáticos y actuaciones de control. Revista Ecosistemas24(1), 4-11.
  • Zuberogoitia, I., & de Ana, J. M. P. (2014). Evolución de las poblaciones y del conocimiento de los visones europeo Mustela lutreola (Linnaeus, 1761) y americano Neovison vison (Schreber, 1777) en Bizkaia. Munibe Monographs3, 119-131.
  • Morales, J. A. V. I. E. R., Díez, D. A. V. I. D., & Lizana, M. I. G. U. E. L. (2010). Análisis de la alimentación y distribución del visón americano (Neovison vison) y de la nutria (Lutra lutra) en la población simpátrica del río Moros (Sistema Central, Segovia). Galemys22(1), 63-89.