Cobra-de-escada: habitat e características

A cobra-de-escada é um réptil essencial para o bom funcionamento dos ecossistemas. Se você quiser saber tudo sobre esse animal, continue lendo.
Cobra-de-escada: habitat e características

Última atualização: 22 Agosto, 2021

A cobra-de-escada (Zamenis scalaris) é um ofídio da família dos colubrídeos. Com o passar dos anos, e após vários estudos genéticos, a classificação filogenética da espécie mudou. Portanto, ela também pode ser referenciada como Rhinechis scalaris e Elaphe scalaris.

Esses répteis são essenciais nos ecossistemas ibéricos e muito benéficos para o ser humano na erradicação de pragas. Contudo, muitas vezes são perseguidos e executados por medo e desconhecimento, o que põe em perigo suas populações. Se você quiser saber mais sobre esse belo colubrídeo, continue a leitura.

Habitat da cobra-de-escada

A cobra-de-escada distribui-se principalmente por toda a Península Ibérica, embora existam populações nas Ilhas Baleares e no sul da França. Quanto aos seus habitats, costuma ser encontrada em áreas de matagal mediterrâneo, florestas desmatadas ou nas bordas de ambas. Os pisos climáticos que prefere são os termo, meso e supramediterrânicos.

Essa cobra também pode ser encontrada em áreas antropogênicas, como pastagens de azinheiras, campos agrícolas com vestígios de vegetação natural e olivais. Quanto às sua presença nas Ilhas Baleares, acredita-se que tenha sido introduzida em Menorca na época pré-romana. Nas demais ilhas não há registros herpetológicos dela até o início do século XXI. A principal teoria é que tenha sido introduzida passivamente nas oliveiras comercializadas.

 

Uma cobra-de-escada em um fundo preto.

Características da cobra-de-escada

É uma cobra robusta e grande, que atinge normalmente 150 centímetros, e já foram encontrados 200 exemplares. Não tem veneno e sua dentição é áglifa, pois possui pequenos dentes em forma de gancho em suas mandíbulas. A cabeça é bem diferenciada e o proeminente focinho se destaca.

O aspecto mais característico da cobra-de-escada são os desenhos em seu dorso. Eles mudam à medida que a cobra aumenta de tamanho e atinge sua maturidade sexual. Quando nascem, os jovens têm um desenho que se parece com uma escada, daí o seu nome.

Esse desenho consiste em duas linhas transversais que partem do início da cabeça e se encontram na cauda. Entre essas duas linhas paralelas, existem várias linhas transversais que dão ao animal a aparência de uma escada.

À medida que as cobras crescem, essas linhas longitudinais começam a se tornar menos visíveis e, quando os espécimes se tornam adultos, elas desaparecem na maioria dos casos, restando apenas as duas linhas transversais. Esses padrões são muito marcados e chamativos.

A cor do corpo é mais clara e amarelada quando esses colubrídeos são jovens, tornando-se um marrom-opaco ou acinzentado na idade adulta. A área ventral é branco-amarelada ou cinza. Seus olhos têm pupila redonda e íris marrom.

Caráter e comportamento

O período de atividade da cobra-de-escada depende muito do clima. Nas regiões do sul, essas cobras podem se manter ativas durante todo o ano, enquanto em áreas com mais diferenças de temperatura, elas costumam ter um período de hibernação ou letargia.

Seu comportamento também depende muito da idade dos espécimes. Os jovens tendem a ficar mais parados durante o dia e mover-se mais à noite, provavelmente como um mecanismo antipredatório. Os adultos são mais diurnos, embora em épocas de calor seja normal vê-los ativos à noite.

Essas cobras geralmente ficam embaixo de grandes pedras ou nas tocas de outros animais. Seu território é de um hectare, embora se desloquem apenas 100 metros por dia em média. Apresentam dois picos de atividade: um na primavera que coincide com o calor e outro no outono, acompanhado do nascimento dos recém-nascidos.

Em termos de caráter, eles são cobras silenciosas. Quando são jovens, sua reação diante de predadores é permanecer imóveis, enquanto os adultos tendem a fugir. Acredita-se que o padrão de escada ajude na camuflagem dos jovens.

Se essas cobras se sentem ameaçadas e acuadas, seu comportamento se torna agressivo. Elas vão erguer seus pescoços e cabeças e assobiar como um método de dissuasão. Se forem pegas, liberam de suas glândulas cloacais uma substância malcheirosa e picam. A mordida não é particularmente dolorosa, mas rasga a pele devido aos pequenos dentes que possuem.

Dimorfismo sexual

Embora pouco marcado, a cobra-de-escada exibe um leve dimorfismo sexual. Os machos têm uma cabeça mais larga do que as fêmeas, e a cauda e a coroa também apresentam um comprimento maior nos machos.

As fêmeas têm um maior número de escamas ventrais e menos escamas subcaudais. Por outro lado, mesmo na idade adulta tendem a manter um padrão dorsal subadulto, apresentando com menos frequência o padrão dos adultos (bilinear).

A alimentação da cobra-de-escada

Essas cobras se alimentam principalmente de pequenos vertebrados, pássaros e mamíferos. Os micromamíferos constituem 95% de sua dieta. Em raras ocasiões, foi observada a predação de répteis e invertebrados. Como não dispõem de veneno, elas matam suas presas por asfixia, geralmente com os anéis da frente do corpo.

As principais presas variam de acordo com o tamanho do espécime. Quando são jovens, alimentam-se principalmente de filhotes de roedores, já quando adultos aumentam seu cardápio com aves, ovos, ratos, toupeiras e até mesmo coelhos e outros lagomorfos.

Seu método de busca de presas é o forrageio, e elas são muito fortes e ágeis para escalar árvores e arbustos com o objetivo de atacar os ninhos. Também é comum ver essas cobras entrarem nas tocas dos mamíferos mencionados para caçar.

A reprodução da cobra-de-escada

A maturidade sexual da cobra-de-escada geralmente está relacionada ao tamanho. Os machos estão maduros quando atingem 40% de seu tamanho máximo e as fêmeas quando atingem 48%. Seu ciclo reprodutivo é sazonal.

As cópulas começam em determinados meses dependendo da região, e essas cobras podem ser vistas reproduzindo-se em forma de bola. Quando elas copulam pela última vez, demora entre 20 a 35 dias para a postura. A fêmea muda de pele antes de realizá-la.

As fêmeas geralmente colocam seus ovos em áreas úmidas e ensolaradas. Os locais que preferem para realizar a postura são sob rochas e entulho, em tocas de micromamíferos, dentro buracos – se o terreno permitir – e sob a vegetação.

O tamanho da ninhada da cobra-de-escada é pequeno, variando de 4 a 14 ovos, que são alongados e amarelados, com um tamanho relativamente grande e um peso elevado. A postura costuma assumir cerca de 46% do peso total da fêmea.

O período de incubação é longo e dura cerca de 65 dias. Dependendo da região, os jovens nascem entre setembro e outubro. Quando eles chegam ao mundo, costumam medir cerca de 27 centímetros e pesar 15 gramas. Eles fazem sua primeira muda entre 7 e 13 dias de idade e não se alimentam até terminar a dormência de inverno, pois recebem uma alta contribuição de lipídios do ovo.

Passado esse período de latência, as pequenas cobras caçam sua primeira presa. Essa alta contribuição de gordura é considerada um cuidado parental retardado. As fêmeas geralmente não se separam do ninho e protegem a prole.

 

Uma cobra-de-escada cruzando a estrada

Estado de conservação

No Livro Vermelho das espécies, a cobra-de-escada está listada como “pouco preocupante”. Ela se distribui amplamente por toda a Península Ibérica e as suas populações são abundantes, embora as populações de Pontevedra e das Ilhas Baleares estejam ameaçadas.

Os principais perigos que essas cobras enfrentam são a perseguição humana, os atropelamentos – já que costumam ser colocadas no asfalto das estradas para captar o calor do solo – e a perda de habitat. Além disso, elas são o alimento de muitas espécies, especialmente a águia-cobreira (Circaetus gallicus).

Pode interessar a você...
Tipos de cobras no mundo
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Tipos de cobras no mundo

Quando falamos de cobras, falamos de um conjunto de animais que inclui 3.460 espécies, por isso é interessante analisar os tipos de cobras existent...