O que são os escíncidos: serpentes ou lagartos?

junho 15, 2020
Os escíncidos são animais com corpos alongados, muito parecidos com as serpentes. No entanto, sua fisiologia é diferente. Você sabe o que os torna diferentes?

Embora sua aparência semeie dúvidas, os escíncidos são lagartos. A maioria deles é terrestre, mas alguns vivem em árvores. Geralmente, os escíncidos têm um corpo mais alongado do que outros lagartos, e tendem a ser confundidos com serpentes.

Os escíncidos se alimentam de invertebrados, principalmente insetos. No entanto, alguns também comem plantas, e grandes espécies se alimentam de vertebrados. A maioria põe ovos, mas existem várias espécies que são ovovivíparas ou vivíparas.

Os escíncidos são um grupo muito variado, com um grande número de subespécies: existem mais de 1.200 delas.

Principais diferenças entre os lagartos e as serpentes

Em primeiro lugar, as diferenças entre os lagartos e as serpentes precisam ser esclarecidas. Embora ambos sejam répteis, existem algumas características principais que os tornam muito diferentes.

A maioria dos lagartos tem pele seca e escamosa. Além disso, os lagartos têm quatro patas com garras e uma cauda longa. Eles geralmente também têm uma cauda frágil, pois uma leve batida ou puxão pode rompê-la. Esse é um mecanismo de defesa que serve para confundir o inimigo, permitindo que o lagarto escape.

Principais diferenças entre os lagartos e as serpentes

No entanto, perder a cauda também pode ser uma desvantagem, pois é nessa área que os lagartos armazenam gordura. Além disso, as caudas dos lagartos fornecem estabilidade e equilíbrio. Felizmente, eles conseguem fazer crescer uma nova cauda.

Por outro lado, temos as serpentes, que variam em tamanho. Elas variam de serpentes africanas – do tamanho de um lápis – a sucuris grandes o suficiente para engolir presas muito grandes. As serpentes vivem em quase todos os nichos ecológicos, exceto nas regiões polares. No entanto, são particularmente abundantes nas regiões tropicais e nos desertos.

As serpentes – e alguns lagartos – têm bifurcações na língua que trabalham em conjunto com os órgãos sensoriais do palato, como escâneres do ambiente. Ao contrário das serpentes, os lagartos têm pálpebras móveis e excelente visão.

Como são os escíncidos?

Então, os escíncidos são, de fato, lagartos. No entanto, os corpos desses animais evoluíram curiosamente para parecerem mais com as serpentes, mesmo que ainda sejam lagartos.

Os escíncidos têm patas muito pequenas, e essa é a principal diferença entre eles e as serpentes. Além disso, eles também têm uma cabeça levemente elevada do chão e apontando para cima.

Esses animais têm uma cauda muito longa e cônica, que pode cair várias vezes ao longo de suas vidas e voltar a crescer. Os escíncidos que perderam a cauda são os mais semelhantes às serpentes.

Devido à imensa quantidade de escíncidos existentes, seu tamanho pode variar significativamente. Eles medem de apenas alguns centímetros a mais de um metro de comprimento. Seu tamanho, é claro, dependerá do habitat e da subespécie.

Distribuição geográfica desses curiosos lagartos

A distribuição geográfica dos escíncidos não é específica, porque existem muitas subespécies diferentes. Eles são encontrados nas montanhas, nas savanas, no deserto e até em prados. No entanto, podem ser difíceis de encontrar, pois tendem a se misturar muito bem nas árvores.

Quando eles se enterram, ninguém é capaz encontrá-los. Às vezes, os escíncidos são avistados em comunidades humanas. Infelizmente, eles são mortos quando são vistos porque são confundidos com as serpentes.

Reprodução dos escíncidos

A reprodução dos escíncidos talvez seja uma das suas características mais curiosasAo contrário de muitos outros animais, os escíncidos não mostram nenhum tipo de afeto materno. No momento em que o filhote choca ou a fêmea põe os ovos, a mãe se afasta e não volta mais.

Assim como outros tipos de lagartos, alguns escíncidos são ovovivíparos. Isso significa que as fêmeas carregam os ovos de seus filhotes dentro delas até eclodirem, ainda dentro do corpo da mãe.

Mas, curiosamente, no momento em que os filhotes veem a luz, eles são abandonados. A mãe não cuida deles ou os ajuda, e os filhotes devem encontrar abrigo e comida por conta própria.

Reprodução dos escíncidos

Algo semelhante acontece com as subespécies dos escíncidos ovíparos. A mãe cria um tipo de ninho onde os ovos podem ficar aquecidos e longe de possíveis predadores.

No entanto, ela deixa o ninho assim que todos os ovos são postos e não fica por perto para ajudar os filhotes a saírem das cascas ou para incentivar a sua sobrevivência de forma alguma.

Comportamento e alimentação

Essa espécie geralmente passa muito tempo nas árvores. Raramente são encontrados no chão, apenas quando estão lutando para encontrar abrigo ou comida. No entanto, também existem subespécies que cavam o chão para se proteger em vez de gastar tempo nas árvores.

Os escíncidos tendem a ser muito tímidos e se desenvolvem bem em cativeiro. Por esse motivo, também costumam ser bons animais de estimação. No entanto, é importante garantir que você tenha os meios adequados para cuidar do animal. Isso inclui o habitat, a temperatura e os alimentos específicos que eles necessitam.

Por fim, cabe destacar que esses animais se alimentam principalmente de vários tipos de insetos. Isso pode incluir besouros, grilos e lagartas. Às vezes, eles se alimentam de pequenos roedores e até de outras espécies menores de lagartos. Em geral, a sua dieta depende do habitat e dos alimentos que estão disponíveis.

  • Bauer, A. M., & Branch, W. R. (1999). Field guide to snakes and other reptiles of Southern Africa. Copeia, 1999(1), 236.
  • Luiselli, L. (2006). Resource partitioning and interspecific competition in snakes: the search for general geographical and guild patterns. Oikos, 114(2), 193–211.
  • Hartweg, N. (1931). Apparent Ovoviviparity in the Mexican Skink, Eumeces lynxae Wiegmann. Copeia, 1931(2), 61.
  • Laird, M. K., Thompson, M. B., & Whittington, C. M. (2019). Facultative oviparity in a viviparous skink (Saiphos equalis). Biology Letters, 15(4), 20180827.