Os 10 répteis mais perigosos

Um dos maiores problemas e motivo do aumento dos confrontos entre répteis e humanos é o deslocamento e a invasão de seus habitats.
Os 10 répteis mais perigosos

Última atualização: 08 maio, 2022

Como todos os seres vivos, os répteis desenvolveram mecanismos de defesa que lhes conferiram habilidades fascinantes, mas que os tornaram perigosos para o homem. Dessa forma, eles podem lidar com ameaças e até conseguir acabar com seus inimigos em um único ataque. Para o animal, isso é importante porque pode significar mais um dia de vida ou se tornar o prato principal de outro ser.

Devido à grande distribuição e diversidade desses animais, as condições em que eles se desenvolvem favorecem a existência de estratégias mais letais que outras. Portanto, algumas espécies estão no topo da cadeia. Continue lendo e conheça os 10 répteis mais perigosos que existem.

O que é um réptil?

No passado, o termo “réptil” se referia a um grupo taxonômico que descrevia organismos escamosos, de pele seca e rastejantes. De fato, como os anfíbios, eles são animais ectotérmicos, por isso precisam de fontes externas para regular sua temperatura corporal. Além disso, a grande maioria dessas espécies se reproduz por ovos (ovíparos), cujas cascas são duras para proteger os filhotes.

Embora essa classificação esteja atualmente em desuso, o conceito ainda é mantido. Além disso, o novo termo que define o grupo é sauropsida. Este, porém, não teve a mesma aceitação que o anterior. Por essa razão, o termo “réptil” ainda é frequentemente usado para descrever vertebrados com essas características.

Tipos de répteis perigosos

Quando se fala em répteis perigosos, não significa necessariamente que sejam venenosos, mas sim que algum aspecto da espécie é capaz de colocar sua vida em risco. Com isso em mente, a lista a seguir compila algumas das espécies mais perigosas que existem.

Cobra-real (Ophiophagus hannah)

Um dos animais mais agressivos do mundo.

Essa cobra faz parte da família Elapidae e é conhecida como uma das espécies mais perigosas que existem. Como se isso não bastasse, o comprimento médio desse réptil é de 5,1 metros, e seu principal alimento são outras cobras. Apesar disso, não seja muito confiante perto dela, se você a incomodar, ela não hesitará em picar e injetar seu veneno com neurotoxinas que, garantimos, pode causar dor até levar à morte.

As toxinas de sua picada são uma combinação de citotoxinas e neurotoxinas que atacam o coração causando parada cardiorrespiratória fatal. Felizmente, existem antivenenos capazes de reverter a situação, dando uma segunda chance à vítima. Ainda assim, sequelas graves, como insuficiência renal, danos cardíacos ou infecções bacterianas, provavelmente complicarão a recuperação.

Taipan-do-interior (Oxyuranus microlepidotus)

Proveniente de um dos continentes mais perigosos, a Austrália, essa espécie é reconhecida como a cobra mais venenosa do mundo. Como seu parente próximo, a cobra-real, faz parte da família Elapidae, então seu veneno contém toxinas bastante letais. De fato, a paradoxina, um dos seus componentes, é considerada a neurotoxina mais potente conhecida.

Víbora-de-russell (Daboia russelii)

A víbora-de-russell faz parte do grupo das “grandes 4 cobras”, temidas por serem os répteis que mais causam acidentes ofídicos na Índia. É uma espécie de importância médica, pois sua picada causa hemorragias, coagulopatias, insuficiência renal, neurotoxicidade e até a morte. Como seu habitat fica próximo a campos de cultivo, é comum que pique agricultores da região.

Lagarto-de-contas (Heloderma horridum)

Você pode pensar que muitas espécies de lagartos são venenosas, no entanto, apenas o lagarto-de-contas e o monstro-de-gila secretam toxinas. Além disso, juntamente com os lagartos-monitores, eles são os animais mais próximos das cobras. Além disso, a composição de seu veneno também contém neurotoxinas, permitindo que causem dor e paralisem suas vítimas.

Ao contrário da crença popular, esses espécimes não matam sua vítima, mas têm um destino pior preparado para ela. As toxinas que eles produzem se concentram em causar muita dor, pois são parte de um alerta para seus predadores. Nesse caso, o perigo não está em causar danos letais, mas sim nas consequências psicológicas que deixa para trás ao torturar sua vítima com dor.

Mamba-negra (Dendroaspis polylepis)

A mamba-negra é uma das espécies mais tóxicas da África, e sua picada requer atenção imediata devido às graves complicações que causa. O envenenamento por mamba-negra causa paralisia, falta de ar e sudorese profusa, tudo em menos de 60 minutos. Além disso, a menos que a vítima receba o antídoto, sua chance de sobrevivência é pequena.

Crocodilo-de-água-salgada (Crocodylus porosus)

Os exemplares dessa espécie são os maiores crocodilos que existem, pois, com tamanhos de até 7 metros, acabam por ser verdadeiros monstros. Além disso, também são conhecidos por serem indivíduos muito agressivos, pois logo após o nascimento começam a se atacar. Embora seu comportamento se deva à sua natureza territorial, não parece ser uma boa ideia provocá-lo.

Jacaré-açú (Melanosuchus niger)

Um jacaré de óculos.

O jacaré-açu é um réptil que habita a América do Sul, no interior da Amazônia. Nesse local, ele é o responsável pelo maior número de ataques a humanos, e não poupa nem as capivaras. De fato, a maioria dos ataques de crocodilos são causados por distúrbios em seu ninho, mas essa espécie escolhe ser oportunista, por isso atacará mesmo sem ser provocada.

Esse animal é um predador oportunista em todos os sentidos da palavra porque se vir a oportunidade, não hesitará em se alimentar de seres humanos. As mandíbulas desses répteis perigosos são capazes de causar fraturas na primeira mordida, o que não matará imediatamente a vítima, mas impedirá que ela se mova enquanto se afoga. O resultado de um ataque desses crocodilos é quase sempre fatal.

Dragão-de-komodo (Varanus komodoensis)

O dragão-de-komodo é um enorme lagarto de 3 metros de comprimento capaz de se alimentar de presas ainda maiores. O método que esses animais usam para caçar consiste em morder suas vítimas injetando venenos e algumas bactérias que contribuem para enfraquecer suas vítimas. Por esse motivo, sua mordida é uma das mais dolorosas e difíceis de curar que existem, devido às complicações latentes que apresenta.

Ataques a humanos por esses répteis perigosos são bastante raros e isolados. No entanto, muitas vezes são necessárias várias operações, devido à profundidade das feridas. Além disso, se a ferida infeccionar, são causados problemas que podem ser fatais.

Tartaruga-aligator (Macrochelys temminckii)

Essa tartaruga é uma das maiores da América do Norte, cujo habitat se restringe a águas doces, como lagos, pântanos e diferentes rios. Uma de suas principais características é sua aparência espinhosa, o que faz com que pareça temível e feroz. No entanto, algo que é muito falado é a força de sua mandíbula, pois tem a capacidade de amputar os dedos de qualquer incauto.

A cobra Bothrops asper

Essa cobra é um dos répteis mais temidos da América Central e do Sul, pois é a causa do maior número de acidentes ofídicos. Como se isso não bastasse, o veneno que produz não só causa uma imensa dor, mas também pode deixar sérias consequências na vítima. As toxinas desse animal causam necrose, o que resulta em morte muscular e outros danos irreversíveis.

Como você pode ver, muitas das espécies perigosas de répteis têm venenos bastante temíveis. No entanto, a maioria ataca apenas quando provocada, pois é um mecanismo de defesa contra ameaças. Por isso, se você não quiser se sair mal lembre-se de que para admirar e respeitar a natureza, não precisa tocar nesses animais para saber que eles são impressionantes.

This might interest you...
Hipotermia em répteis domésticos: causas, sintomas e tratamento
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Hipotermia em répteis domésticos: causas, sintomas e tratamento

A hipotermia em répteis é relativamente comum, pois esses animais não são capazes de gerar seu próprio calor em níveis aceitáveis.



  • Le, H. Q., Nguyen, N. T. T., Vo, T. N. A., Van Nguyen, T., Do, K. T. N., Ho, T. T. C., … & Warrell, D. A. (2021). Envenoming by king cobras (Ophiophagus hannah) in Vietnam with cardiac complications and necrotizing fasciitis. Toxicon.
  • Warrell, D. A. (1991). Bites by the king cobra (Ophiophagus hannah) in Myanmar: successful treatment of severe neurotoxic envenoming. QJM: An International Journal of Medicine80(3), 751-762.
  • Hodgson, W. C., Dal Belo, C. A., & Rowan, E. G. (2007). The neuromuscular activity of paradoxin: a presynaptic neurotoxin from the venom of the inland taipan (Oxyuranus microlepidotus). Neuropharmacology52(5), 1229-1236.
  • Kularatne, S. A. M. (2003). Epidemiology and clinical picture of the Russell’s viper (Daboia russelii russelii) bite in Anuradhapura, Sri Lanka: a prospective study of 336 patients. Southeast Asian journal of tropical medicine and public health34(4), 855-862.
  • Roller James, A. (1977). Gila monster bite: a case report. Clinical toxicology10(4), 423-427.
  • Woodson, W. D. (1947). Toxicity of Heloderma venom. Herpetologica4(1), 31-33.
  • Aalten, M., Bakhuis, C. F., Asaggau, I., Wulfse, M., van Binsbergen, M. F., Arntz, E. R., … & van der Heyden, M. A. (2021). The clinical course and treatment of black mamba (Dendroaspis polylepis) envenomations: a narrative review. Clinical toxicology, 1-9.
  • Brien, M. L., Webb, G. J., Lang, J. W., McGuinness, K. A., & Christian, K. A. (2013). Born to be bad: agonistic behaviour in hatchling saltwater crocodiles (Crocodylus porosus). Behaviour, 737-762.
  • Haddad Jr, V., & Fonseca, W. C. (2011). A fatal attack on a child by a black caiman (Melanosuchus niger). Wilderness & environmental medicine22(1), 62-64.
  • Boyd, B. S., Colon, F., Doty, J. F., & Sanders, K. C. (2021). Beware of the Dragon: A Case Report of a Komodo Dragon Attack. Foot & Ankle Orthopaedics6(2), 24730114211015623.
  • Johnson, R. D., & Nielsen, C. L. (2016). Traumatic amputation of finger from an alligator snapping turtle bite. Wilderness & environmental medicine27(2), 277-281.